Made of Honor ou Padrinho mas Pouco
Com: Patrick Dempsey, Michelle Monaghan, Kevin McKidd
Argumento: Adam Sztykiel
O trailer já anunciava uma comédia romântica despretensiosa e sem grandes lamechices. E de facto foi uma agradável surpresa de boa disposição e que recentra o amor na sua base mais significativa e profunda. Esta é a história de dois melhores amigos que não podem viver um sem o outro, mas que nunca revelaram os seus verdadeiros sentimentos para além da amizade. Perante a ameaça de perda da sua melhor amiga para um duque escocês que a pediu em casamento, Tom enceta uma verdadeira demanda na reconquista desse lugar que era seu por direito, utilizando o facto de ser a "dama de honor" da noiva para a reconquistar. As cenas passadas na Escócia são deliciosas e levam-nos a passear não apenas nas suas lindissimas paisagens bem como a participar das tradições ancestrais do casamento tipicamente escocês. O ritmo do filme está no ponto e os diálogos simples mas bem construídos. Nós que não apreciamos o conceito de amor à primeira vista tão explorado noutras comédias românticas, adoramos esta história simples e representativa do amor que se faz e cresce todos os dias, das pequenas e das grandes coisas, das partilhas, dos segredos, das piadas que só nós entendemos, das vivências partilhadas e construídas juntos, por há tanto tempo sermos a voz um do outro. Eu cá gostei, é bonito. Vão ver.

O Incrível Hulk
Com: William Hurt, Tim Roth, Liv Tyler, Edward Norton
Argumento: Zak Penn, Edward Norton
Realização: Louis Leterrier
Eu só fui ver este pelo Edward Norton, confesso. Não vi o primeiro Hulk e apenas me arrastaram para a película do verdinho gigante que parte tudo quando se zanga ou excita (;)) porque gosto mesmo das interpretações deste senhor.
A história já todos sabemos: o cientista Bruce Banner procura desesperadamente uma cura para a radiação gama que envenenou as suas células e libertou uma fúria descontrolada dentro de si: O Hulk.
Eu gosto muito dos quadradinhos da Marvel, e se a primeira tentativa da passagem para a tela por Ang Lee foi um fracasso de bilheteira, este segundo parece estar a sair-se um pouco melhor. Pela mão do pouco conhecido Louis Leterrier e pela dupla Zak Penn - (o homem do 2º e 3º X-Men) - Edward Norton no argumento saiu algo com densidade psicológica, mas sobretudo com boas passagens de acção, desde a perseguição em plena Favela da Rocinha no Rio às lutas de titãs nas ruas de Nova Iorque, o resultado final é bem mais fiel aos quadradinhos e à série de TV dos anos 70.
Contudo por mais competentes que sejam Norton, Tyler ou mesmo o veterano Hurt nas suas actuações, aqui as suas personagens parecem caricatas, presas a um universo cristalizado de referências aos quadrinhos que as impede de acrescentar novas camadas aos papéis. Ficou a dica da continuidade para o nosso herói quando quase no final aparece Robert Downey Jr., que dá um arzinho de graça com a sua personagem Tony Stark/Homem de Ferro, deixando no ar a sensação de que, desta vez, a Marvel não só aprovou a performance de Norton como tem bons planos no futuro para esta personagem.

Speed Racer é uma bad trip!
Com: Susan Sarandon, John Goodman, Emile Hirsch, Christina Ricci
Argumento: Larry Wachowski
Realização: Larry Wachowski, Andy Wachowski
Meus amigos, este é mesmo para esquecer. Ao final dos primeiros 10 minutos já estavamos desesperadamente à procura das luzinhas que indicam no escuro do cinema a porta de saída de tamanha pastelada, como quem procura a salvação de um barco moribundo.
É um desperdício para actores veteranos como o são Susan Sarandon, John Goodman ou Christina Ricci. Um desperdício de tempo - foram 10 anos de filmagens num vai-não-vai-que-fazemos o filme - um desperdício de milhões e de talento criativo dos manos Wachowski, os magos do Matrix. A promessa da adaptação do famoso desenho animado ao grande ecrã resulta num histerismo infantilóide, de argumento pobre e demasiado estilizado visualmente, unicamente apelativo a crianças incrivelmente pouco críticas ou que sofram de paralisia cerebral bem como a apreciadores incondicionais do plasticismo virtual das consolas de jogos.

Vão mas é para a praia!

Na calha para vermos esta semana:
O desconcertante The Hapening (O Acontecimento) de M. Night Shyamalan, para muitos o melhor realizador de suspense desde Hitchcock.

Death Defying Acts (Houdini - O Último Grande Mágico) de Gillian Armstrong, porque adoro mágicos - sempre foi o tipo de homem misterioso que me conquista.

Turn Back Time

Friday, June 27, 2008 | 0 Comments

Give me time to reason, give me time to think it through ...

The Lover

Friday, June 27, 2008 | 0 Comments



The Lover is a 1992 movie based on this novel, directed by Jean-Jacques Annaud and starring Jane March and Tony Leung Ka Fai. The cast also included Lisa Faulkner. The film was nominated for the Academy Award for Best Cinematography. A radio dramatisation, starring Diana Quick and Olivia Hallinan, which was rather more faithful to Marguerite Duras's novel than the film, was broadcast in September 2007.

This scenne is one of my favorites but click here, for more superbe scennes :)

Strange Feelings

Thursday, June 26, 2008 | 0 Comments

...I'm a tree that grows hearts
One for each that you take
You're the intruders hand
I'm the branch that you break.

Queria ser o teu armário

Thursday, June 26, 2008 | 0 Comments

O Armário Eu queria, senhora, ser o seu armário e guardar os seus tesouros como um corsário
Que coisa louca: ser seu guarda-roupa!
Alguma coisa sólida, circunspecta e pesada nessa sua vida tão estabanada.
Um amigo de lei (de que madeira eu não sei)
Um sentinela do seu leito com todo o respeito.
Ah, ter gavetinhas para suas argolinhas
Ter um vão para seu camisolão e sentir o seu cheiro, senhora, o dia inteiro
Meus nichos como bichos engoliriam suas meias-calças,
seus soutiens sem alças, e tirariam nacos dos seus casacos,
E no meu chão, como trufas, as suas pantufas…
Seus echarpes, seus jeans, seus longos e afins
Seus trastes e contrastes.
Aquele vestido com asa e aquele de andar em casa.
Um turbante antigo. Um pulôver amigo.
Bonecas de pano. Um brinco cigano.
Um chapéu de aba larga. Um isqueiro sem carga.
Suéteres de lã e um estranho astracã.
Ah, vê-la se vendo no meu espelho, correndo.
Puxando, sem dores, os meus puxadores.
Mexendo com o meu interior à procura de um pregador.
Desarrumando meu ser por um prêt-à-porter…
Ser o seu segredo, senhora, e o seu medo.
E sufocar com agravantes todos os seus amantes.


Luís Fernando Veríssimo

PARABÉNS!!!

Thursday, June 26, 2008 | 0 Comments




The gifts of love are handmade, tailored with care and patience inside our soul, secretly whispered in dreams.That's why they cannot be bought at a store. Because in every single inch there was a piece of me and you.
...Sweet memories of so much better days.
Birthday is sacred, so today I wish you a very, mostly, truly, Happy Day!

Intensive Nurse Service

Wednesday, June 25, 2008 | 1 Comments

Anyone needing nurse cuddle services? ;)
or a Cuddle Party???

Fui Feliz Aqui! Muito!

Tuesday, June 24, 2008 | 1 Comments


António Pinho Vargas no piano. A música, essa, chama-se Momentos. E este é um momento doce que recordo dos primeiros anos de namoro: as viagens de comboio na linha do algarve, contigo, meu amor. Naqueles comboios velhinhos em que as portas nem fechavam, com um calor abrasador lá fora e a brisa morna a trespassar os tecidos finos de verão. A tua mão sobre a minha, o ritmo cadenciado dos carris, o dedo que aponta no horizonte para qualquer coisa bonita que nos chamou a atenção. O teu sorriso. O meu. O nosso. Hoje saltou esta recordação da caixinha de achados da vida. Porque não o digo sempre, mas hoje apetece-me mesmo dizer: Gosto mesmo de ti.

Afternoon Gifts

Monday, June 23, 2008 | 1 Comments

Anja Garbarek é cantora e compositora. Nascida a 1970, filha única do compositor/saxofonista Jan Garbarek, um dos mais conceituados génios da cena jazz contemporânea europeia, Anja tem um misto de angelical e demoníaco, juntando doçura com um certo toque macabro. Tem um site mesmo catita e a música é ainda melhor. Descobri-a esta tarde pelo click de um amigo e relembrei-me que afinal já a tinha ouvido, na banda sonora de um filme de Luc Besson - Angel A - e que me levou a ouvir outras composições desta desconcertante norueguesa e a partilhá-la convosco. Obrigada, Pedro!


Ontem fomos assistir ao concerto de Rodrigo Leão e o Cinema Ensemble com a Orquestra Sinfonietta de Lisboa. Foi a oferta perfeita que amigos muito ternos e conhecedores das nossas almas nos deram por ocasião do meu aniversário. Colocamos este pequeno excerto, ainda que sem a orquestra para que possam disfrutar de um bocadinho da nossa vivência de ontem.

Há estranhas formas de fazer amor... de beijar sem ter lábios, de dar as mãos sem as tocar, de sentir a respiração no ritmo ondulante dos sons que nos acariciam ternamente. A música deste senhor agarra-nos pela cintura e estremece-nos enquanto nos valseia com doçura na nossa própria cadeira. Em cada nota, em cada arrepio, sentimos a vossa presença, o vosso olhar meigo e a ternura e amizade com que nos brindam em cada dia. Queríamos ter-vos a nosso lado, mas já lá estavam, em cada balouçar da concertina, em cada sopro sustido, em cada deslize do violino na nossa pele. Obrigada queridos!
Mei e Arawn

P.S. Outra coisa gira foi o uso de um instrumento chamado Theremin e que usa o campo magnético do corpo para produzir som. Ficamos maravilhados, pois junto à voz alada da Ângela Silva, parece que temos um coro alienígena celestial na sala. Há mesmo coisas fantásticas não há? Espreitem o Theremin aqui!

Solstício de Verão

Saturday, June 21, 2008 | 0 Comments

Senti-me provocada pelos meus queridos amigos do Awakenings a escrever um bocadinho sobre o Solstício de Verão, o qual para mim constitui uma simbologia importante na relação que tenho com o mundo, a vida, os outros e comigo mesma. Além de que a "minha" música para brindar ao Verão só podia mesmo ser o Summer Wine. Obrigada! :*
Mais do que a festa da fertilidade e do calor (e não só...! como bem relembram os meus amigos bloguistas) o Solstício de Verão abre-nos outras reflexões que vale a pena explorarmos: uma vez que o Sol é a fonte de toda a vida na Terra e simboliza a claridade e o conhecimento, esta é uma altura para aproveitarmos o seu ponto mais elevado para também elevarmos a nossa consciência acerca do nosso planeta, da nossa própria natureza enquanto homens e da nossa busca interna por melhorar, sermos mais sábios e conhecedores do que nos rodeia. Que a claridade destes dias que se avizinham nos ajude a ver mais além, saber mais profundamente e amar com mais sinceridade, pois apenas pela luz se iluminam os caminhos escuros e se tomam as melhores opções.
Disse.

Escapadinhas

Friday, June 20, 2008 | 2 Comments

As Pousadas de Portugal convidam-nos para fins-de-semana cheios de amorrrrr e muito romantismo. Uma experiência a não perder, numa pousada perto de si. Lets look at a trailer aqui!
Já que falamos de coisas boas, as mesmo mesmo boas, as marotas, não podiamos deixar de falar de um dos acontecimentos de jazz que marca esta temporada de entrada no verão e nas tardes longas a perder de vista: o Cool Jazz Fest. Que é mesmo mesmo cool este ano. E os locais são deslumbrantes e convidam a musicar ao luar: Oeiras, Cascais e Mafra.

Ora vejam:
Cidadela de Cascais: Lizz Wright (18Julho, 22h), Kings of Convenience (24 Julho, 22h) e Pink Martini (25 Julho, 22h)
Jardim do Marquês de Pombal em Oeiras: Herbie Hancock (6 Julho, 22h); Mayra Andrade (11 Julho, 22h), Caetano Veloso (26 Julho, 22h) e Diana Krall (30 Julho, 22h).
Jardim do Cerco em Mafra: Ana Moura & Convidados (12 Julho, 22h); Jorge Palma (16 Julho, 22h) e Madeleine Peyroux (17 Julho, 22h).

Este vai ser mesmo o mês do jazz e as programações são de deixar água na boca.

Com jantar e concerto, o OndaJazz criou uma boa conjugação entre gastronomia e música, preocupando-se com o bem-estar do cliente. Com um atendimento descontraído e simpático, de acordo com o espírito dominante do próprio espaço, o restaurante Ondajazz tem uma cozinha de aromas e sabores fortes, misturando o tradicional com influências dos 5 cantos do mundo. A qualidade dos pratos e bebidas foi pensada de modo a satisfazer os sentidos e pacificar a alma.
Fica feito o convite, Bom espectáculo!

BIG BAND REUNION - De Fevereiro a Junho de 2008
TRANSATLANTISTAS - 20 de Junho de 2008
SOFIA VITÓRIA E JÚLIO RESENDE - 21 de Junho de 2008
COTTAS CLUB JAZZ BAND - 24 de Junho de 2008
ADRIANA MIKI - 26 de Junho de 2008
MÁRIO LÚCIO - 3 de Julho de 2008
JOEL XAVIER - 4 de Julho de 2008
FILIPE MELO TRIO - 17 DE Julho de 2008
FICÇÕES - 26 de Julho de 2008
SUSANA TRAVASSOS - 31 de Julho de 2008

Nota: Lotação de cada mesa até 6 pessoas. A venda dos bilhetes é realizada sem lugar marcado sendo a atribuição dos lugares feita pelo OndaJazz, devido à gestão dos lugares nas mesas. Mais informações consultar a tickline.
Onde: OndaJazz, Arco de Jesus, 7, Alfama em Lisboa. Junto ao Campo das Cebolas.
Quanto: 30,00€
Horários: Início do Evento : Jantar: das 20H00 às 22H30 (Concerto após jantar)
4ªas feiras: Palco Aberto com Entrada Livre



Os Pé na Terra (site) são um grupo folk do Porto. Ricardo Coelho, Cristina Castro, Tiago Soares, Adérito Pinto e Hélio Ribeiro são gente descontraída e que tenta manter as raízes bem assentes na génese da música tradicional portuguesa, sem perder de vista a intensidade e a força de um certo rock (que por vezes passa pelo progressivo) e de algumas danças tradicionais europeias como valsas e chapeloises.
Este disco de estreia tem uma capa de serrapilheira: uma metáfora muito bem conseguida daquilo que é a sua forma de expressão por dentro: natural, pulsante, genuína. Mostram ainda que a criatividade e a preocupação ambiental podem andar de mãos dadas. A música, esse grande denominador comum é, nos Pé na Terra, um instrumento único para fazer do mundo um local sem fronteiras, onde muitas inspirações se tocam, se misturam e se perpetuam em algo de mágico e deslumbrante que dá vontade de trautear baixinho para dentro, só para nos fazer companhia.
Namorem o CD deles na Fnac e levem-no convosco! :D Vale bem a pena.

Concerto - Mafalda Arnauth e Ensemble Costa do Castelo
“É como regressar a casa dos pais!”, diz Mafalda Arnauth sobre este concerto, um dos muitos que estão a passar pela Festa do Fado no Castelo de São Jorge. A Mafalda vai cantar “clássicos, standarts e raridades”, acompanhada pelos Ensemble Costa do Castelo. Noites ao ar livre no topo da cidade, com toda aquela vista e o fado gigante que recebe outros acordes musicais. Lisboa mistura, mexe, remexe e manda para o ar.
Onde: Castelo de São Jorge, Castelejo
Quando: amanhã, sexta, às 22h
Quanto: uma pechincha - 12,5€


Concerto - Orquestra Gulbenkian no Jardim
Venha o sol, a moleza dos dias longos e a música consequente. O Verão começa e em tom de celebração discreta e cheia de classe a Gulbenkian traz música ao jardim. Hoje os passarinhos vão fazer coro no primeiro concerto do Programa Distância e Proximidade da Orquestra Gulbenkian, dirigida pelo Maestro Muhai Tang. Para os mais curiosos, um cheirinho do que vão poder ouvir: Red Silk Dance (para piano e orquestra) de Bright Sheng, L’Éloignement (para orquestra de cordas) de Qigang Chen e Death and Fire: Dialogue with Paul Klee de Tan Dun. O mesmo programa repete amanhã, à tardinha, no Anfiteatro ao Ar Livre. Enjoy!
Onde: Gulbenkian Anfiteatro ao Ar Livre
Quando, este sábado, às 21h30
Quanto: 10€

Ópera - Saga – Ópera Extravagante

Sim, é uma ópera extravagante, nada dada aos libretos e encenações tradicionais. Desde o local: interior do Museu da Marinha e claustro interior do Mosteiro dos Jerónimos. Passando pela equipa: cerca de 70 músicos, em que a maioria pertence à Banda da Armada Portuguesa, cantores líricos, intérpretes do universo da música popular e até mesmo do heavy e rock, como Fernando Ribeiro (Moonspell) e Rui Sidónio (Bizarra Locomotiva). Também há actores e bailarinos. Os textos são de Sophia de Mello Breyner Andresen e contam a história de uma menina que quer ser marinheira. E quem organizou este grande encontro colectivo foi
O Bando . É Verão. O espectáculo é ao ar livre. E garante encher os corações com música e poesia. Poderoso!
Onde: Mosteiro dos Jerónimos Entrada pelo Museu da Marinha
Quando: de Qui. a Dom às 21h30
Quanto: 12€ a 15€

Yoga aos Domingos
É domingo – se não tiverem filhos provavelmente podem dormir até ao meio dia como eu, (que não durmo porque há mesmo muita coisa boa para viver!) Mas sabemos que não é assim que funciona e o CCB teve isso presente quando resolveu criar o YOGA AOS DOMINGOS, uma iniciativa para famílias (pais, mães, filhos e até avós com mais elasticidade), que nos permite arrancar os miúdos do seu estado vegetativo em frente à televisão. Por isso, larguem as playstations e arrastem os vossos pais, tios e primos com promessas de que há poucas coisas melhores que a Siddhasana para começar uma semana em Zen.
Onde: CCB Jardim das Oliveiras
Quando: Domingo às 11h30
Quanto: Gratuito

Exposição José Saramago: A Consistência dos Sonhos
Há 3 tipos de pessoas em Portugal As que não gostam do Saramago as que acham que o Saramago é só um espanhol casado com uma moça mais nova e o Lobo Antunes (que reúne as 3 tipologias) Os genuínos amantes de Saramago são raros como o verdadeiro amor mas concluiu-se que o resto da plebe merecia uma segunda oportunidade de conhecer o nobel Obras inéditas manuscritos notas pessoais primeiras edições traduções fotografias vídeos e gravações originais povoam esta exposição que com uma forte componente multimédia mostra a consistência dos sonhos deste peculiar avô Com o “Ensaio sobre a Cegueira” quase quase a estrear em “Blindness” só nos fica bem ir dar um passou-bem ao Homem de Lanzarote – este artigo foi escrito sem pontuação como para honrar o grande escritor Salvé Salvé
Onde: Galeria de Pintura do Rei D. Luís I Palácio da Ajuda
Quando: Todos os dias das 10h às 19h exp. Qua
Quanto: 3€ con descontos

Cinema - A Arca Russa
É um filme, uma coreografia ou um exibicionismo técnico? Hitchcock tentou, em A Corda, fazer um filme inteiro sem cortes, mas a tecnologia da altura não lhe permitiu: foi preciso parar para mudar a fita. Na era digital o realizador Aleksandr Sokurov cumpriu a proeza de filmar 96 minutos sem pausas—o chamado plano sequência. Em A Arca Russa, passeamos pelas 35 salas do museu Hermitage num filme matrioska: obras de arte dentro de um documentário, dentro de um museu, dentro de um filme de ficção dentro de uma sala de cinema. Eu vi a exposição e fiquei deslumbrada. Isto promete ser coisa boa, promete sim senhor.
Onde: Cinemateca, Rua Barata Salgueiro, 39 Tel.21 359 6200
Quando: Segunda, 23 Junho, às 19h30
Quanto: 2,5€
Arrastão da LeCool

Os perdidos e achados da vida

Thursday, June 19, 2008 | 1 Comments

before falling a sleep...
Há momentos que nos fazem falta. Uma canção partilhada no duche e que agora se silencia nos pingos solitários que nos percorrem as costas, um cadeado colorido que emparelhava com o nosso no cacifo do lado no ginásio, os almoços feitos de gelados a escorrer pelos dedos que partilhavamos na maior das travessuras, os livros lidos doutras viagens que tornavamos visíveis nas palavras feitas nossas ao entardecer...
Há coisas que se recuperam nessas faltas. Há um amor que se expande nas manhãs a dois pela serra fora, nos passeios de mota quando o ar aquece e nos solta os cabelos irrequietos enquanto me agarro a ti sob o pretexto do frio. Uma disponibilidade que se amplia nas noites enroscados no sofá com um cobertor quentinho, no escurinho do cinema onde damos as mãos em silêncio, nas histórias do dia que contamos pela primeira vez e que deixavamos de contar por já termos partilhado antes com outro alguém. Na cumplicidade que parecia estar a ser tomada de assalto por termos sempre outras pessoas com quem a partilhar no caminho.
Mas nos perdidos e achados da vida há um património que não conseguimos calcular. Não queremos calcular. Nos perdidos e achados da vida há pequenas doçuras esquecidas e há actos dolorosos relembrados todos os dias. Nos perdidos e achados da vida há palavras e há silêncios dos quais já não conseguimos descobrir o trilho ou lembrar em que voo rasante os perdemos.
Há espaços nas prateleiras que não recordavamos o que guardavam até ao momento de soar aquela música ou de sentirmos aquele perfume que num segundo nos transporta a esse momento parado no tempo que amamos, que quisemos, que desejamos que durasse toda a eternidade. Aqueles momentos que julgamos perdidos para sempre saltam da prateleira e dizem-nos: "olá, estamos aqui, para te acalentar a alma e lembrar que nem tudo foi em vão e que aprendeste tanto desde então." Gostamos de saber que nem tudo o que fizemos, amamos, demos foi em vão. Que deve ter valido alguma coisa.
Embora seja demasiado cedo para que consiga perdoar e começar de novo, espero que esse cadeado guardião proteja as melhores recordações para que um dia as possa recuperar no balcão mágico da memória sem restrições de identificação ou de pertença.
E fica esta canção a embalar-me nos corredores do silêncio.

Lullaby for a perfect RagDoll

Wednesday, June 18, 2008 | 2 Comments

My perfect ragdoll hand's are made of transparent silk and her hair is made of smooth orchid petals
My perfect ragdoll is like a little fairy, so delicate and tender.
My perfect ragdoll makes me company just for knowing her there
My perfect ragdoll works hard and never gives up.
My perfect ragdoll has time lines in her hands and tenderness in her words.
My perfect ragdoll is soft and strong at the same time, and always know how to make it right.
My perfect ragdoll rags are just in the right places, where I earn to kiss her over and over again.
And above all, my perfect ragdoll knows my heart by just earing me breathing.

Dance Me Till the End of Time

Wednesday, June 18, 2008 | 0 Comments

E assim Acontece! :)

Tuesday, June 17, 2008 | 0 Comments

Borboletário Lagartagis - Depois de tanta ressaca e bailarico não há nada como fazer uma pausa num Éden em miniatura. O Lagartagis é uma estufa de borboletas. Uma espécie de Big-Brother tranquilo e pastoril, onde podemos ver tudo o que se passa do ovo, à lagarta e à borboleta. Existem banquinhos para sentar, ler ou namorar à antiga. E borboletas a esvoaçar à nossa volta. Maravilhem-se com um cenário de sonho mas vejam onde põem os pés.
Onde : Jardim Botânico do Museu Nacional de História Natural Rua da Escola Politécnica, 58, Quando: Todos os dias das 10h às 17h; Quanto: Muito Barato
Conversas sobre O Prazer/Le Plaisir
Desde que o “Je t’aime, Moi non plus” foi gemido pelos excitados Birkin/Gainsbourg que os franceses acham que inventaram o prazer! E depois do Último Tango ser em Paris, então não há quem os cale. Mas antes deles já todo o Universo falava sobre isso e depois deles continuar-se-à a falar. Platão, Aristóteles, Epicuro, Nietzsche, Bataille, Foucault ou Deleuze foram homens que se deram ao desfrute. Para não falar nas mulheres, essas musas-pecadoras das ilhas dos amores! Por isso hoje vamos falar sobre PRAZER, beber uns licores, comer uns morangos e filosofar com Dominique Mortiaux, Jean-Yves Mercury e Nuno Nabais. E já sabem, não quero cá vergonhas ao representar o prazer de ser Português!
Onde: Cafetaria do Instituto Franco Poruguês Avenida Luís Bívar, 91
Quando: Hoje às 21h
Quanto: Entrada Livre

Video Rental E-Flux
Não vão encontrar o “Querida encolhi os miúdos” nem o “Príncipe em Nova York”. Mesmo que procurem muito o “Alien Vs Predator Vs Freddy Vs Charlie-e-a-fábrica-dos chocolates” não vão dar com ele. Este é um vídeo-clube especial. Primeiro porque os vídeos são de arte contemporânea. Segundo porque o aluguer é grátis (e toda a gente gosta de grátis). Terceiro porque dificilmente vão dizer a frase “este já vi”. E quarto porque não se apanham pessoas irritantes a querer comprar pipocas ou doses industriais de gelado. Depois de engordar a sua colecção por cidades como Amesterdão, Berlim, Frankfurt, Istambul, Austin Texas ou Miami, o E-Flux chega ao foyer da Gulbenkian. Não se atrasem, é só até 31 de Julho.
Onde: Fundação Calouste Gulbenkian Avenida de Berna
Quando: Seg a Sex das 09h às 13h e das 14h30 às 17h30
Quanto: Gratuito
Arrastão da LeCool

OH Happy Day!!! :D

Monday, June 16, 2008 | 3 Comments

A ti meu amor e a todos aqueles que me acompanharam neste dia tão feliz, um beijinho muito especial cheio de ternura. As palavras ficam sempre aquém da imensa felicidade que me invade ao tentar escrever-vos: sinto-me a cada dia abençoada por permanecerem tão amigos, tão próximos e tão disponíveis para (me) amar. Mesmo nos dias virados do avesso, mesmo nos dias em que o meu sorriso quebra, nos dias em que me dispo de defesas, vocês vestem-me com os vossos braços mornos de dádiva e amor. Adoro-vos a todos!
Marisa

My Fetish Girl

Monday, June 16, 2008 | 2 Comments

The Gathering Party heartbreaker! :D

The Irish NO!

Monday, June 16, 2008 | 0 Comments

Eu gosto dos irlandeses... vou aos pubs, gosto das músicas, da cultura, da maneira de estar descontraída. Até adoro irishcoffee para aquecer as noites mais frias. Gosto deste povo emigrante, aventureiro, povo que conseguiu crescer internamente em muito devido à ajuda dos fundos europeus. Por isso estou muito desapontada com o resultado do referendo sobre o Tratado de Lisboa e com a massiva abstenção do seu povo nesta votação de tão grande relevância.
O que passou com este não!? Será uma percepção crescente de não participação real na Europa? Uma percepção que alastrou como vírus a mais de metade da população que já tanto usufruiu dessa mesma participação? Pergunto: e devolver a massa dos fundos já gastos, não seria uma forma de afirmação da "independência"? Serão os irlandeses um povo de memória curta e a construção europeia só é interessante quando recebem algo sem terem de cumprir em troca as suas obrigações devidas à construção conjunta de uma europa mais forte e eficaz?
Acima de tudo traduz uma falta grave de comunicação política e a afirmação do profundo desacordo com as formas de fazer política, mais do que com os conteúdos do Tratado... afinal quem é que o leu?
O Não! terá encontrado mais adeptos nas regiões rurais e em zonas urbanas operárias, ao passo que o Sim teria sido a opção dominante entre a classe média urbana. E, mais uma vez, levanta-se a questão da utilidade do referendo em questões desta natureza.
O Tratado de Lisboa foi assinado pelos chefes de Estado ou de governo dos 27 Estados-membros e o processo de ratificação foi já concluído por 18 países. Esperemos por isso que os outros Estados-membros continuem com o processo de ratificação. Esperemos também que não seja objecto de referendo, pois a retirar da experiência irlandesa fica a aprendizagem de que há assuntos que devem ser deixados à responsabilidade de quem foi legitimamente eleito para decidir e que efectivamente "percebe da poda".
Além de que isto assim não é nada porreiro, pá!

Tenderness

Monday, June 16, 2008 | 0 Comments


Sérgio Godinho - A noite passada

A noite passada p'lo campo lunar
teu corpo a meu lado, o teu doce olhar
ambos em viagem, sem pressa de chegar
corri por palavras sem conseguir falar
sei que te vi dentro da minha alma
cantamos juntos, a lua a velar em calma
faltou-me o ar, afundada no teu beijo
e então cantamos
depois ficamos
em morno silêncio como anjos
Mei

Sabe bem recordar as coisas boas... aquelas mesmo mesmo boas, as malandras!
São memórias cantadas baixinho que nos afagam os cabelos enquanto repousamos no colo terno e magnânimo da partilha.

Blue Feeling

Sunday, June 15, 2008 | 0 Comments



Koop Island Blues

Summer Mood

Saturday, June 14, 2008 | 0 Comments

os dias longos com sabor a morangos...

a roupa fresquinha... as promessas secretas...
e muito amorrrrrr!!!

Oh Happy Day!!!

Thursday, June 12, 2008 | 1 Comments





E é chegado o dia de celebrar mais um aninho :) junto dos amigos de preferência. Cá fica o convitezinho e a revelação do local!
Beijitos a todos, vos espero! De sorriso em riste e mãos preparadas para desembrulhar ofertas :D sempre gostei desta palavrinha!
Vejam aqui como chegar.
Os Reis da Rua (Street Kings, 2008)
Realização: David Ayer
Argumento: James Ellroy, Kurt Wimmer e Jamie Moss
Elenco: Keanu Reeves, Forest Whitaker, Hugh Laurie, Chris Evans, Martha Higareda e Cedric the Entertainer
Os Reis da Rua é quase um filmaço! E digo quase, porque tendo um elenco de luxo, o argumento peca por ser tão comum. O ritmo é idêntico ao de muitos outros filmes do género, bem como a história do polícia justiceiro contra os colegas corruptos. Contudo o elenco destaca-se pelos nomes e interpretações de peso que conseguiu captar: Forest Whitaker dá um show e Hugh Laurie, embora em aparição parca, também dá um ar da sua graça. De resto todo o elenco trabalha para Keanu Reeves, que não estando brilhante no papel do perdido agente Ludlow, cumpre bem o seu papel. A previsibilidade do enredo é o que torna o filme menos interessante, pois nos primeiros 10 minutos já percebemos como tudo vai acabar, quem morre, quem é corrupto, quem anda a ser enrolado, ficando sempre a vã esperança de virmos a ser surpreendidos no final, o que não chega a acontecer.
O que é de espantar é que Os Reis da Rua saiu da mente de James Ellroy, autor dos livros que originaram Los Angeles - Cidade Proibida, de Curtis Hanson, e Dália Negra, de Brian De Palma. Aqui, ele é um dos argumentistas. Lamentável. Diferente de Los Angeles - Cidade Proibida, Os Reis da Rua não é um trabalho estupendo tendo em conta o conjunto de actores. Todos são apoios para Keanu Reeves. O interessante no meio de tudo isto é que além de Dia de Treino, o cinema que David Ayer quer contar tem as suas raízes em Serpico, um clássico de Sidney Lumet. Mesmo com esse ponto a favor e com um elenco caro (e James Ellroy), o director não conseguiu fazer uma obra prima. Lógico que Ayer jamais faria um novo Serpico. Longe disso. Mas nem chegou aos pés de belos policiais modernos como o recente (e subestimado) Os Donos da Noite.

Indiana Jones e o Reino da Caveira de Cristal
Realização: Steven Spielberg.
Argumento: George Lucas
Elenco: Harrison Ford, Shia LaBeouf, Karen Allen, John Hurt e Cate Blanchett.
Site oficial
Dezanove anos depois da Última Cruzada, Indiana está de volta e continua a mostrar que a arqueologia pode ser cool e com direito a todos os detalhes e elementos cinematográficos que tornaram a trilogia tão marcante no imaginário popular. Eu cá gostei. Gostei das piadas certeiras de Indiana, dos bons diálogos, dos toques de suspense e sobrenatural, dos enigmas, dos artefatos de civilizações antigas, das tumbas com armadilhas, dos insectos aos montes e muitas teias de aranha. Ah e claro, dos extra-terrestres, que também estiveram muito bem. Mas os macacos digitais estavam muito maus...arggghhhhh, que tal filmar uns primatas a sério?... mas fora isso esta deve ser a película mais kitsh deste ano, mas faz tudo parte da festa que este filme é para aqueles que continuam a ser putos como nós.
A banda sonora continua bem catita, com a inesquecível música-tema de John Williams
O herói está velho mas isso ainda torna a coisa mais divertida, pois é motivo de piadas espirituosas o que ainda o torna mais carismático. O seu sucessor - o rebelde Mutt (Shia LaBeouf, o novo queridinho de Steven Spielberg) - embora seja um puto baril não chega aos calcanhares do Prof. Jones. Talvez se saia melhor quando não estiver em contraste com um dos maiores dinossauros de hollywood, pois neste Indiana Jones e o Reino da Caveira de Cristal, Ford rules and kick some ass, destilando energia do alto dos seus quase 70 anos!
A não perder meus amigos!


Sexo e a Cidade
Realização: Michael Patrick King
Com: Sarah Jessica Parker, Kim Cattrall, Cynthia Nixon, Chris Noth, Candice Bergen, Jennifer Hudson, David Eigenberg, Jason Lewis, Evan Handler, Willie Garson, Mario Cantone
Eu nunca vi a série que deu origem a este filme. E acho que não perdi grande coisa, perdoem-me os mais chegados a este tipo de séries pseudo-modernas-femininistas. Em jeito de novela condensada de 2 horas e meia, como se de um especial-happy-ending se tratasse, fomos fustigados por um gigantesco anúncio publicitário, tendo pelo meio as aventuras e desventuras próprias de uma novela americana deslumbrada pelas marcas e pelos clichés que dominam os conceitos actuais (?) de felicidade. A única personagem que conseguiu gerar-me alguma simpatia foi a atrevida Samantha: é giraça, cinquentinha e adora sexo. Mas claro que na óptica moralista americana que marca esta "película", ela tinha de ser castigada e não ter o seu happy ending como as restantes amiguinhas, pois que gostar de sexo não pode ser tão legítimo como querer ter filhos ou casar. Neste filme confunde-se cinema com televisão, pois não é mais que televisão em ponto grande. Não há nas quase 2 horas e meia de duração a mínima parecença com o que possa ser um filme. Vimos apenas um episódio dolorosamente demorado de uma série sobre mulheres mimadas, pouco interessantes e sobretudo com um estilo de amizade com o qual nunca me identifiquei... pois trocar uma boa conversa ou discussão com o namorado para desdizer nas suas costas com as "amigas" não me parece a melhor maneira de ultrapassar os problemas. Se não tiverem tempo ou o sol vos convidar para o passeio, não se perde nada :)
Para aqueles que ficaram a suar as estopinhas no trabalho e não em serviço destacado à praia mais próxima, aqui fica um incentivo para que haja alegria no trabalho ;)

Love Ya!

Sunday, June 08, 2008 | 0 Comments

I
You!

Summer Encore

Sunday, June 08, 2008 | 0 Comments

A todos os que visitam este nosso estaminé:
Vamos de mini-férias!!!
Namorar, namorar, namorar!!! Façam o mesmo que é muito bom para a azia ;)
Deixar o sol entranhar-se em nós e iluminar cada dia cinzento que passou, deixar que o sal tempere os nossos beijos mais demorados! Vemo-nos no regresso do correio.

Goodbye Chihiro

Friday, June 06, 2008 | 0 Comments

I've got to say goodbye, 'cause you've passed the point of no return.

Que a viagem que aqui fizemos juntas permaneça na memória dos dias felizes, em algibeiras cheias de mil fragmentos de beleza e de encantamento. Que o caminho que agora seguimos separadas seja abençoado pela maturidade conquistada, pelas candeias de aviso no caminho que a dor deixou como rasto iluminado no bosque escuro e, sobretudo, pela aprendizagem de que as consequências dos actos perseguem-nos sempre, seja em sonhos, seja na vida real ou seja tão só nas noites em que velamos em vigília para que tudo se recomponha.


Did I (ever) disappoint you or let you down? Should I be feeling guilty or let the judges frown?' Cause I saw the end before we'd begun (...)

So I took what's mine by eternal right. Took your soul out into the night, and may be over but it won't stop there. I am here for you if you'd only care.
(you) Touched my heart you touched my soul, you changed my life and all my goals. And love is blind and that I knew when, my heart was blinded by you!
I've kissed your lips and held your head. Shared your dreams and shared your bed. I know you well, I know your smell. I've been addicted to you. Goodbye my lover. Goodbye my friend. You have been the one. You have been the one for me.
I am a dreamer but when I awake, you can't break my spirit - it's my dreams you take! And as you move on, remember me, remember us and all we used to be.
I've seen you cry, I've seen you smile. I've watched you sleeping for a while (...) I'd spend a lifetime with you. I know your fears and you know mine. (...) And I love you!... I swear that's true. (...) Goodbye my lover. Goodbye my friend. You have been the one. You have been the one for me! And I still hold your hand in mine, in mine when I'm asleep (...) Goodbye my lover. Goodbye my friend. You have been the one. You have been the one for me...
I'm so hollow, baby, I'm so hollow. I'm so, I'm so, I'm so hollow!
"Last year I took a cross-country road trip with my 10-year-old daughter, and we were greatly entertained by the free public domain audio books available from LibriVox, an online forum which connects readers (as in those who voice the text) to books, then makes the resulting audio files freely available to all. The library is strictly public domain material, but is very extensive. Most of the books we listened to were read by just one person ("going solo"), but readers can volunteer for individual chapters of books in progress. We listened to The Prince and the Pauper, The Mysterious Island, The Wind in the Willows, Five Children and It, and several selected poems and short stories. (Kudos to Timothy Smith for The Mysterious Island -- a tour de force!). Online coordinators organize the readings, which are generally excellent. Some readers provide wonderful voices for each character; some simply read the text. The books are available for download from the website, or can be downloaded via iTunes, which we did and then listened to from the iPod in the car (note: using iTunes, the files are stored as separate podcasts with a separate podcast per chapter; when you download the .mp3 file from the LibriVox website, it is listed not in audiobooks nor podcasts, but as a LibriVox 'song'). This really is a wonderful public service. It's not as easy to be a good reader as you may think! If you want to contribute, the website includes a FAQ on how to record and prepare the audio file for submission, including links to free recording software and instructions on adding ID3 tags for the iPod. My daughter is enchanted with the concept, and has since volunteered to read chapters of Raggedy Ann Stories." Paul Goessling

O site está aqui: LibriVox
Guia de gravação: Newbie Guide to Recording

No domingo apanhem o 28!

Friday, June 06, 2008 | 0 Comments

Já vem sendo hábito: “Chegue-se para lá.” “What’s happening?” “Ich weiß nicht…” “Cuidado com as curvas!” “Há lugar ao fundo?” “Mas o que se passa neste eléctrico hoje?” “Oh madame, silêncio, não sabe que se vai cantar o fado?” Por mais que a temperatura não queira, chegámos a Junho. Por isso descomprimam o corpinho a ressacar de vitamina D, que não é caso para tanta depressão. Mesmo que o sol não frite corpos na Caparica, o espírito é de festa, de ar livre, de corpo e alma em movimento. E é outra vez mês de Fado no Eléctrico. A música põe-se a andar, carril abaixo, carril acima, a bem de ecoar nas colinas e acordar os corpos cansados para dias mais ensolarados. Deixem o carro de molho. Divirtam-se, domingo é no 28.

SEXTA-FEIRA!!!

Friday, June 06, 2008 | 0 Comments

Hoje o Verão veio colar-se à pele,
Segredar desejos de calor e aventura
Murmurar como se constrói as tardes de ternura
Despertar os sentidos,
Tornar-nos destemidos.

Hoje há vento a soprar de sul
Há viagens escritas no céu azul
Há o teu abraço infinito
E dunas imensas a abafar o nosso grito.

Hoje Nós.

Freemasons - When you Touch Me

Thursday, June 05, 2008 | 1 Comments

Green Felling

Thursday, June 05, 2008 | 0 Comments

Save me from myself

Thursday, June 05, 2008 | 0 Comments

Para ti meu amor, que és o fio que suspende a minha alma no céu.

It's not so easy loving me
It gets so complicated
All the things you've gotta be
Everything's changing
But you're the truth
I'm amazed by all your patience
Everything I put you through

When I'm about to fall
Somehow you're always waiting
With your open arms to catch me
You're gonna save me from myself
From myself, yes
You're gonna save me from myself

My love is tainted by your touch
Cause some guys have shown me aces
But you've got that royal flush
I know it's crazy everyday
Well tomorrow may be shaky
But you never turn away

Don't ask me why I'm cryin
Cause when I start to crumble
You know how to keep me smiling
You always save me from myself
From myself, myself
You're gonna save me from myself

I know it's hard, it's hard
But you've broken all my walls
You've been my strength, so strong

And don't ask me why I love you
It's obvious your tenderness
Is what I need to make me
A better woman to myself
To myself,to myself
You're gonna save me from myself



Lova Ya!

O amor é...

Thursday, June 05, 2008 | 0 Comments

...passar camisas a ferro todas as noites com a mesma ternura com que sussuras um beijo de "boa noite"

Strange Love

Wednesday, June 04, 2008 | 0 Comments



Strange Love - Koop - uma banda sueca despretenciosa e que produz estes temas de jazz/blues electrónico de rara beleza. De uma leveza doce e melodiosa, Koop sabe a caipirinhas bebidas em goles lentos, a tardes mornas molengando nos puffs partilhados em silêncio num qualquer terraço à beira-rio.

The Gathering Party is Back!!!

Wednesday, June 04, 2008 | 0 Comments




A festa mais audaciosa de sempre está de volta a Lisboa! Shows, Roupas e um tudo o que de mais fetichista possas imaginar dia 7.Junho pelas 22 horas na Caixa Económica Operária, Rua da Voz do Operário, 64Lisboa. A entrada são 20€ com oferta de 2 bebidas.

Dress Code (obrigatório!): latex, cabedal, vinil, uniformes, acessórios fetichistas (luvas, botas, saltos altos) e relacionados com a imagética BDSM (algemas, chicotes, etc), ou, traje completamente negro.

Se não tens roupinha experimenta visitar:

www.fetichisma.com

www.alalunga.net

www.worldofsenses.net

www.androm.net

mais detalhes aqui:

http://www.thegatheringparty.org/home.html

Não percam! :D

Bem-vinda Maria!!!

Wednesday, June 04, 2008 | 1 Comments


Data: 4 de Junho
Hora: 20h
Signo: Gémeos
Comilona :)
Bem-vinda ao mundo, às mil e uma aventuras que vão agora começar.
Parabéns aos papás babados! muáck!**
p.s - Eu sempre disse que era menina :)

Smoke Free! :)

Tuesday, June 03, 2008 | 1 Comments


Parabéns por teres deixado de fumar, querida :)

Melodias de Junho

Tuesday, June 03, 2008 | 0 Comments

Danser Encore

Tuesday, June 03, 2008 | 0 Comments



Sting e Alessandra Ferri
(A introdução é um pouco extensa, mas depois o dueto é deslumbrante :) vá tenham paciência!)

Programa: 10 a 15 de Junho no Auditório dos Oceanos, Casino de Lisboa - 3€ cada bilhete, início às 22h:
Dia 10 de Junho
MEDIUM RARE, Reino Unido, de Stefan Stuckert, 14 minutos. Carl corre pela vida. Quando uma linda mulher lhe oferece inesperadamente refúgio, a sua sorte parece ter mudado.
HISTORY OF RICHARD O, França, de Damien Odoul, 75 minutos.Paris, Agosto: Guiado pela sua luxúria, Richard O explora os mistérios do erotismo e as mulheres que vão aparecendo para passar o verão.
Dia 11 Junho
CURTOS ANIMAÇÃO ERÓTICOS, Letónia, de Signe Beaumane, 11minutos. As perspectivas de uma rapariga sobre o primeiro beijo, a primeira saída amorosa, os primeiros ciúmes e a primeira vez.
ADDICTION, Finlândia, de Minna Virtanen, 101minutos. A vida de Jonna parece perfeita: é a estrela da empresa, tem um bom marido e dois filhos. Mas o seu vício em sexo ocasional pode deitar tudo a perder.
Dia 12 de Junho
EROTIC TALES II: (Histórias eróticas produzidas pela alemã Regina Ziegler e passadas para o ecrã por realizadores famosos).
THE RED GARTER, Alemanha, de Markus Fischer, 29 minutos.
ON TOP DOWN UNDER, Islândia, de Fridrik Thor Fridriksson, 27 minutos.
WHY DON´T WE DO IT ON THE ROAD, Alemanha, de Eoin Moore, 28 minutos.
THE GALLERY, Holanda, de Joe Stelling, 28 minutos.
Dia 13 de Junho
A DAY IN THE LIFE OF RICHARD, Irlanda, de Declan de Barra, 2 minutos.Uma sátira que segue a vida de Richard, um pénis de 1,80m, que tenta encaixar-se na vida moderna do dia-a-dia.
CONTOS IMORAIS, Polónia, de Walerian Borowczyk, 103 minutos.Quatro contos eróticos de várias épocas históricas.
Dia 14 de Junho
DELICIOUS SAKE, França, de Jean Bocheux, 11 minutos. Num bar de sake, os homens vêem as suas fantasias materializarem-se através de uma mulher no fundo dos seus copos.
AMOUR FOU, Alemanha, deFelicitas Korn, 92 minutos. Nadja é um espírito livre até ao dia em que conhece Darius numa discoteca e o que era para ser só mais um caso transforma-se numa paixão obsessiva.
Dia 15 de Junho
A RELIGIOSA I e II, Portugal, de Clídio Nóbio, 4 minutos. As aventuras eróticas de uma freira.
DEATH IS A CARESS, Noruega, de Edith Carlmar, 95 minutos. Dois jovens, Erik e Sonja, juntam-se. Ela é uma rica, mimada e casada mulher da classe alta - ele é mecânico na garagem que ela usa.
Espreitem o site oficial aqui e conheçam outros ciclos de cinema organizados pela Festroia - International Film Festival

Standing...

Monday, June 02, 2008 | 0 Comments

You are my sweetest downfall

Monday, June 02, 2008 | 1 Comments



Há muitas borrachas para apagar o que nos magoa ou não nos agrada... neste mundo virtual basta clicar em eliminar - foi outra faceta escondida ou também uma "mudança"?
Quero mostrar então o que ainda me recordo: carinho feito de origamis dobrados pela imaginação, dobras imaginárias de magia e encantamento que ficaram para sempre vincadas, mesmo depois de desdobradas em melancólica tristeza. És o vinco por dentro que não desaparece por muito que estique a razão nos seus limites.



Now as the summer fades, I let you slip away
You say I’m not your type, But I can make you sway.
It makes you burn to learn, You’re not the only one
I'd let you be if you put down your blazing gun.

Now you’ve gone somewhere else, Far away
I don’t know if I will find you (find you, find you).
But you feel my breath, On your neck
Can’t believe I’m right behind you (right behind you).

‘Cause you keep me coming back for more
And I feel a little better than I did before
And if I never see your face again, I don’t mind
‘Cause we gone much further than I thought we'd get tonight

Sometimes you move so well, it’s hard not to give in.
I’m lost, I can’t tell, where you end and I begin.

It makes you burn to learn I'm with another man.
I wonder if he’s half the lover that I am.
Now you’ve gone somewhere else, Far away
I don’t know if I will find you (find you, find you).
But you feel my breath, On your neck
Can’t believe I’m right behind you (right behind you).

‘Cause you keep me coming back for more
And I feel a little better than I did before
And if I never see your face again, I don’t mind
‘Cause we gone much further than I thought we'd get tonight

Baby, baby, please believe me
Find it in your heart to reach me
Promise not to leave me behind
(Promise not to leave me behind)

Take me down, but take it easy
Make me think but don’t deceive me
Talk to me bout taking your time
(Talk to me, talk to me)

‘Cause you keep me coming back for more
And I feel a little better than I did before
And if I never see your face again, I don’t mind
‘Cause we gone much further than I thought we'd get tonight
‘Cause you keep me coming back for more
And I feel a little better than I did before
And if I never see your face again, I don’t mind
‘Cause we gone much further than I thought we'd get tonight

Dia da Criança

Sunday, June 01, 2008 | 0 Comments

ARTIGO 19º (da Convenção, assinada em 1989) "Ninguém deve exercer sobre a criança qualquer espécie de maus tratos. Os adultos devem protegê-la contra abusos, violência e negligência. Mesmo os próprios pais não têm o direito de a maltratar."


Direitos das crianças Food Force (Jogo solidário)

AMNISTIAINTERNACIONAL

About

Mei and Arawn