Adorava ter sido eu a pintar isto!!!

Tuesday, September 30, 2008 | 1 Comments

Das muitas obras que povoam o meu imaginário e que alimentam a minha fantasia enquanto pintora, esta é das que mais me marcou. Adorava ter pintado este quadro. Não fui eu, foi Boris Vallejo. Revejo a minha alma nesta imagem, sigo-lhe cada traço com o olhar atento, deslizo os dedos sobre o contorno, tento refazer o gesto. Encarna a duplicidade que tantas vezes me habita e adorava ter tido os tomates de a pintar quando me deu ganas de o fazer. Hoje achei que podia partilhá-la convosco. Um dia destes... talvez coloque aqui o meu quadro.

Syrup And Honey

Tuesday, September 30, 2008 | 1 Comments



A doçura partilhada dos ensaios, o receio da falha na nota mais matreira, a beleza conquistada do trabalho a dois. O fim que alteramos juntos porque simplesmente fica mais bonito. O ensaio que corre sempre melhor que o espectáculo final.

Mas de tudo isso, bom bom é tocar almas contigo meu amor.

"O cinema destrói a imaginação". Esta afirmação é do próprio Saramago que resistiu anos à venda dos direitos de adaptação do seu romance, Ensaio sobre a Cegueira.
Blindness foi a película de abertura do Festival de Cannes. Dirigida por Fernando Meirelles, classificada por uns como "deprimente", para outros "ambiciosa" e dirigida a "coleccionadores". Certo é que não deixou ninguém indiferente, não fosse esta uma obra nobelizada em 1998. Para já fazemos aqui um pequeno apanhado do livro, que foi o que me pediram hoje. Não sei se a tensão emocional e a questão filosófica por detrás do romance será igualmente intensa no filme. O comentário acerca do filme ficará para outros episódios do nosso estaminé.
O romance aborda o surgimento de uma inédita praga: uma repentina cegueira que se abate numa cidade não identificada, inexplicável e incurável. A "cegueira branca" — assim nomeada pois as pessoas infectadas nada mais veêm que uma superfície leitosa — manifesta-se primeiramente num homem sentado no trânsito e, lentamente, espalha-se pelo país. Aos poucos, todos acabam cegos e reduzidos, pela obscuridade, a meros seres lutando pelos seus instintos. À medida que os afectados pela epidemia são colocados em quarentena, em condições desumanas, e os serviços estatais começam a falhar, a história segue a mulher de um médico, a única pessoa que não é afectada pela doença.
O romance mostra de forma crua o desmoronar completo da sociedade que, por causa da cegueira, perde tudo aquilo que lhe dá forma como civilização e, (tal como em
A Peste, de Albert Camus) mais que comentar as facetas básicas da natureza humana à medida que elas emergem numa crise de epidemia, o Ensaio sobre a Cegueira mostra a profunda humanidade dos que são obrigados a confiar uns nos outros quando os seus sentidos físicos os abandonam. O brilho branco da cegueira ilumina as percepções das personagens principais e a história torna-se não só um registo da sobrevivência física das multidões cegas, mas também das suas vidas espirituais e da dignidade que tentam manter. Mais do que olhar, importa reparar no outro. Só dessa forma o homem se humaniza novamente.
Na contracapa: "Se puderes olhar, vê. Se podes ver, repara.", citado do "Livro dos conselhos", de El-Rei Dom Duarte. Há qualquer coisa de profundamente socrático nesta obra. Fica o convite à leitura de alguns excertos do livro:

"Quando o médico e o velho da venda preta entraram na camarata com a comida, não viram, não podiam ver, sete mulheres nuas, a cega das insônias estendida na cama, limpa como nunca estivera em toda a sua vida, enquanto outra mulher lavava, uma por uma, as suas companheiras, e depois a si própria."
"Não lhe parece que deveríamos comunicar ao ministério o que se está a passar, Por enquanto acho prematuro, pense no alarme público que iria causar uma notícia destas, com mil diabos, a cegueira não se pega, A morte também não se pega, e apesar disso todos morremos."
"Quando o director veio ao telefone, Então, que se passa, o médico perguntou-lhe se estava só, se não havia gente por perto que pudesse ouvir, da telefonista não havia que recear, tinha mas que fazer que escutar conversas sobre oftalmopatias, a ela apenas a ginecologia lhe interessava."
"O medo cega, disse a rapariga dos óculos escuros, São palavras certas, já éramos cegos no momento em que cegámos, o medo nos cegou, o medo nos fará continuar cegos, Quem está a falar, perguntou o médico, Um cego, respondeu a voz, só um cego, é o que temos aqui. Então perguntou o velho da venda preta, Quantos cegos serão precisos para fazer uma cegueira. Ninguém lhe soube responder."
"Lutar foi sempre, mais ou menos, uma forma de cegueira, Isto é diferente, Farás o que melhor te parecer, mas não te esqueças daquilo que nós somos aqui, cegos, simplesmente cegos, cegos sem retóricas nem comiserações, o mundo caridoso e pitoresco dos ceguinhos acabou, agora é o reino duro, cruel e implacável dos cegos, Se tu pudesses ver o que eu sou obrigada a ver, quererias estar cego, Acredito, mas não preciso, cego já estou, Perdoa-me, meu querido, se tu soubesses, Sei, sei, levei a minha vida a olhar para dentro dos olhos das pessoas, é o único lugar do corpo onde talvez ainda exista uma alma, e se eles se perderam"
"Por que foi que cegámos, Não sei, talvez um dia se chegue a conhecer a razão, Queres que te diga o que penso, Diz, Penso que não cegámos, penso que estamos cegos, Cegos que vêem, Cegos que, vendo, não vêem"

Notas sobre José Saramago:

Eu descobri tarde Saramago. Saramago também se descobriu tardiamente para a literatura. De mecânico de automóveis a funcionário público, só tardiamente começou a escrever. A saber escrever. Autodidacta, crítico, mordaz, filósofo, criativo, forjou o seu estilo inconfundível, gerou inimizades entre as faixas mais conservadoras, principalmente entre o Vaticano e a comunidade judaica. Em 2003, o crítico norte-americano Harold Bloom, no seu livro Genius: A Mosaic of One Hundred Exemplary Creative Minds considerou José Saramago "the most gifted novelist alive in the world today", referindo-se a ele como "o Mestre". Declarou ainda que Saramago é "um dos últimos titãs de um género literário em desaparecimento". Conheçam-no melhor aqui.

Subversive Beauty

Tuesday, September 30, 2008 | 2 Comments

Vivo na crença profunda de que a beleza modifica tudo aquilo que toca e que, depois de contaminado pela beleza, nem o mais sanguinário dos monstros permanece o mesmo.
Um dos meus pintores favoritos, Luis Royo, explora este tema como ninguém.
Subversive Beauty é uma das suas colectâneas de trabalhos, feito livro. Deixo-vos também o site oficial para que possam conhecê-lo melhor.

Our songs: Mysteries

Monday, September 29, 2008 | 5 Comments


God knows how I adore life
When the wind turns on the shores lies another day
I cannot ask for more

When the time bell blows my heart
And I have scored a better day
Well nobody made this war of mine

And the moments that I enjoy
A place of love and mystery
I'll be there anytime

Oh mysteries of love
Where war is no more
I'll be there anytime

When the time bell blows my heart
And I have scored a better day
Well nobody made this war of mine

And the moments that I enjoy
A place of love and mystery
I'll be there anytime

Mysteries of love
Where war is no more
I'll be there anytime

Beth Gibbons, Mysteries

Hoje entardeci ao som dos Portishead e da voz alada desta senhora. E lembrei-me de uma das minhas músicas preferidas para deixar aqui no nosso cantinho. Porque o amor me tem inspirado. O nosso. O dos outros. Porque o amadurecimento do amor implica a perda e o luto, mas também a reconquista e o recomeço. Porque o mistério é esse de nunca sabermos o caminho antes de o fazermos, mas we'll be there anytime.


Lonely Caroussel, de Rodrigo Leão e voz de Beth Gibbons.

Sick Sucks!

Monday, September 29, 2008 | 4 Comments

Stay healthy! The alternative really sucks and it's NOT fun!
Damn, give me some amoxicillin!

Cinemania em dia: The Air I Breathe

Monday, September 29, 2008 | 1 Comments

Realização: Jieho Lee
Elenco: Kevin Bacon, Sarah Michelle Gellar, Andy Garcia, Brendan Fraser, Forest Whitaker

“The Air I Breathe” parece ter tudo para ser um drama interessante, possuindo um elenco de luxo e uma ideia base forte, contudo o argumento mal elaborado e uma realização fraca fazem do filme um autêntico flop dramático.
A história do filme baseia-se num provérbio chinês que divide a vida nas quatro emoções principais: Felicidade (Happiness), Desgosto (Sorrow), Prazer (Pleasure) e Amor (Love). A história central do filme, acompanha o romance entre Pleasure (Brendan Fraser), um gangster que consegue ver o futuro, e Sorrow (Sarah Michelle Gellar), uma bela estrela pop em ascensão, o fatídico drama do casal começa quando o contrato musical de Sorrow cai nas mãos de Fingers (Andy Garcia), um impiedoso barão do crime. Acompanhamos também a história de Happiness (Forest Whitaker), um intratável banqueiro que anda a tentar escapar da morte lenta que é o seu trabalho quotidiano. Depois de perder todo o dinheiro que pedira emprestado num esquema de jogo chefiado por Fingers, Happiness encontra-se numa encruzilhada entre fugir ao seu destino ou confrontar os seus medos. Finalmente, temos a história de Love (Kevin Bacon), um médico que está apaixonado por Gina (Julie Delpy), a mulher do seu melhor amigo. Quando esta é mordida por uma cobra e fica com apenas 24 horas de vida a não ser que receba uma transfusão de sangue, Love lança-se numa desesperada corrida para encontrar o tipo de sangue de Gina que para seu azar é um dos mais raros, comum em apenas 2% da população.
As histórias e a ideia central do filme tinham tudo para resultar bem, mas faltou um realizador experiente e com bom senso. É uma pena, mas a relação entre as personagens não é clara e muito menos é claro o objectivo de ligação entre as suas histórias. Os diálogos são fracotes e mesmo actores de mão cheia como Forest Whitaker pouco conseguem fazer para tornar as coisas melhores. Kevin Bacon é o único actor que sobressai, com uma actuação densa e dramática. Mas saímos da sala com o sentimento de que algo importante faltou neste filme.

Contudo as apresentações que precederam a apresentação do filme valeram a espera.
Ora espreitem o trailer de Blindness, a adaptação da obra Ensaio sobre a Cegueira do nosso José Saramago, pela mão de Fernando Meirelles, o realizador da Cidade de Deus. Lá que promete, promete. Para estreia este Outono: 

Just a Perfect Day

Sunday, September 28, 2008 | 1 Comments

Todos os dias são dias perfeitos, desde que vividos juntos. Claro que somos capazes de viver um sem o outro. Todos nascemos e morremos sós, diz-se. Mas uns vivem ou morrem sós mais acompanhados e realizados que outros. E a vida torna-se uma aventura muito mais gira e desafiante se vivida com quem amamos e com quem saboreia como nós os seus momentos. É que assim os dias enchem-se de plenitude e de significado. É que assim, nas pequenas e grandes imperfeições, nas complexas ou nas mais simples vitórias, nos dias sim e nos dias não, partilhamos tudo com esse ser que não tem território nem parcela de nós, mas que nos tem por completo e com quem nos fundimos sem hesitação, porque somos nós também o seu gesto.
É com muita emoção e uma lagriminha teimosa que partilhamos da vossa felicidade e assistimos à forma significativa e profunda com que se vivem um ou outro. Obrigada pelos dias perfeitos que nos deram a viver ao vosso lado. Que os próximos 10, 20... 30 anos sejam uma incógnita de aventuras e desventuras perfeitas e tecidos na certeza constante que é o vosso amor. Porque é preciso mesmo coragem para amar destemidamente. E vocês têm-na a rodos!
Gostamos muitoooooooooooooooooooooooooooooooo de vocês, queridos amigos!
Marisa e Miguel

Awakening Mood: Day Dreamer

Friday, September 26, 2008 | 3 Comments

Dei um pulinho ali a uma vizinha bloquista e dei com isto:

Gosto muito da Adele e esta versão acústica de Day Dreamer está magnífica. 

Obrigada Sininho ;)

Está quase!!! ;)

Friday, September 26, 2008 | 0 Comments

Já que estou acordada, dei comigo a pensar em vocês. Está quase! ;)

Staying Awaked

Friday, September 26, 2008 | 1 Comments

Será que têm aquele péssimo hábito de acordar a meio da noite e começar a pensar em tudo e mais alguma coisa, a ordenar tarefas do dia seguinte mentalmente e a dar por vocês sem pingo de sono? Quando dão conta são 4 da manhã e o vosso cérebro está em plena actividade com todo o tipo de pensamentos e ideias que vos mantêm acordados pelo menos umas boas 2 h e quando finalmente conseguem voltar a adormecer falta 1h para terem de acordar para ir trabalhar. E voilá: acordam exaustos. Será que vos soa familiar?
Dizem os especialistas que para quem não tem particular dificuldade em adormecer mas que acorda frequentemente a meio da noite, o problema está na estabilidade dos níveis de açucar no sangue. Fiz uma pesquisa sobre o tema e cá ficam umas dicas de um plano a 2 semanas para recuperar desta maleita. Eu cá vou tentar.

"Blood sugar fluctuations when they dip too low at night will cause your adrenal glands to send out cortisol (a stress hormone) which then wakes you up in the middle of the night, often with anxiety, racing mind and heart.  This will happen during times of high stress or times of fatigue.  Because your adrenal glands are weaker than normal, the blood sugar control is less stable therefore you are woken up at night by your stress hormones.  The key to fixing the insomnia has a lot to do with what you eat or drink during the day.  

Here is the easy plan to get refreshing sleep:

  • Keep all electronic devices at least 4 feet from your body or unplug while you sleep.  EMF fields will disrupt quality sleep for many people.  Included in this is digital alarm clocks, clock radios, CD/iPod speakers, electric blankets.
  • Eat a protein snack 1/2 hour before bed.  Can be a small handful of nuts, a bite or two of steak/chicken/fish from dinner, 1/4 cup whole milk yogurt, 1/4 cup cottage cheese, 2 ounces of cheddar cheese etc.  The key is small but protein/fat rich snack.  This will keep you from getting low blood sugar during the middle of the night.
  • If you commonly wake in the middle of the night hungry keep a protein bar by your nightstand and take a couple of bites before trying to fall back asleep.  This is just a temporary thing while you are working on keeping your blood sugar level.
  • Go to bed between 10pm and 12am.  These are the best times to fall asleep.
  • Try to manage your schedule to allow yourself to wake naturally and refreshed.
  • Avoid stimulants like coffee or caffeinated drinks.  This contributes to fluctuations in blood sugar and can affect the quality of your sleep at night.  Yes, this can happen even if you keep to your morning Starbuck's latte.
  • Eat 3 protein rich meals, don't skip meals, and 3 protein rich snacks (morning snack, afternoon snack and before bed snack).  Don't choose snacks that have sugar, simple carbohydrates or are sweet. Do NOT skip a meal even if you are not hungry, try to eat a little something.
  • Eat BEFORE you get hungry.
  • No dessert after dinner.  Also keep dinner to lower carbohydrates.  Small amounts of potato, pasta, bread or rice will really help you in your recovery."

Afternoon Mood: The Sound of Silence

Thursday, September 25, 2008 | 0 Comments


O silêncio consente ou reprova
O silêncio defende ou acusa
O silêncio agrada ou incomoda
O silêncio conforta ou magoa
O silêncio une ou separa
O silêncio alegra ou entristece
O silêncio constrói ou destrói
O silêncio restaura ou aniquila
O silêncio vivifica ou mata
O silêncio enaltece ou desonra
O silêncio exalta ou humilha
O silêncio liberta ou oprime
O silêncio alívia ou sobrecarrega
O silêncio cativa ou espanta
O silêncio motiva ou desencoraja
O silêncio confirma ou nega
O silêncio fala!

(Autor desconhecido)

Quisera ser eu

Thursday, September 25, 2008 | 2 Comments


Quisera ser eu sopro da tua passagem
Pudesse eu avassalar os teus lábios 
Para te saborear, p'ra sempre, em mim

Quisera ser eu a tua seda e alinhavo
Pudesse eu dobrar cada camada de ti
em vinco invísivel, p'ra sempre em mim

Quisera ser eu a tempestade, o naufrágio
Pudesse eu ser o promontório, o derradeiro abrigo
P'ra te proteger, p'ra sempre de mim

Quisera eu ser assim eternamente
pudesse eu ser simplesmente tua

Na foto acima, Starbucks, Madrid, Elsa e Marisa, no saudoso ano de 2003
:) such sweet memories!

Soube ontem pelo meu rapaz que o Starbucks abre a 30 de Setembro em Portugal e ainda por cima no Shopping mais próximo do nosso reino, o Allegro, e abrirá outro na zona de Belém, mesmo quase ao lado do nosso pequeno refúgio de amor a que chamamos lar. Isto é que é karma!
Para quem este é apenas mais um símbolo da hegemonia capitalista americana fiquem sabendo que para nós representa anos de visitas a Madrid (desde 1996 para nós) e de um cantinho onde levavamos os nossos amigos e a que chamavamos a nossa segunda casa!!! Representa anos de espera, de paciente espera por aqueles sofás onde nos afundamos com os nossos livros, pelos coockies, pelos muffins de chocolate, pelo bebericar ronronante de um cappuccino com o nosso nome inscrito. Ai... lá estaremos! 
E perguntam vocês: Onde é que estes meninos reúnem para trabalhar ao Domingo? Como somos empresários pouco ortodoxos qualquer sítio que nos permita discutir ideias, tomar apontamentos e de preferência caminhar e apanhar ar é bom. E desta feita escolhemos o Jardim Tropical de Belém e ficámos extasiados. O Jardim Tropical, antigo Jardim Colonial, em Belém, comemorou há 2 anos o seu primeiro centenário. Criado em 25 de Janeiro de 1906, pelo Rei D. Carlos, este espaço tem actualmente 5 hectares (o equivalente a cinco campos de futebol) de vegetação de origem tropical e subtropical que podem visitar quando bem vos apetecer. Com uma elevada componente didáctica - já na altura da sua criação era aqui que funcionava o então Instituto Superior de Agronomia e Veterinária - o Jardim tem hoje em funcionamento o serviço educativo que contempla um sem número de actividades lúdicas neste reino botânico, permitindo quer às crianças em idade escolar quer aos adultos visitarem o espaço, livremente ou com através de visitas guiadas, e ficarem a conhecer um pouco mais, entre outras, sobre as plantas que habitualmente encontram na sua alimentação, como a canela ou o cacau, e que não fazem ideia do seu percurso até chegarem ao prato.
Aquando da sua origem foi também criado o Museu Agrícola Colonial, para demonstrar as práticas agrícolas executadas nas nossas colónias, mas actualmente encontra-se encerrado para reabilitação. Mas têm muito mais para ver...
Pertencente ao Instituto de Investigação Científica Tropical (IICT), e sendo tutelado pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, é objectivo do Jardim apostar numa maior divulgação científica, educação ambiental e para a cidadania, não só a nível botânico mas também a nível do património existente no espaço, como as estátuas dos séculos XVII-XVIII que vos “acompanham” na visita.
O Jardim está aberto todos os dias, excepto feriados, das 10h às 17h, mas no Verão este horário prolonga-se um pouco mais para que possam apreciar um pôr-do-sol único, com o som das muitas aves que também aqui habitam a fazer-vos companhia.
Podem trazer um livro e lê-lo sentados nas raízes de um Ficus semelhante àquele onde Budha teve a inspiração ou aproveitar para namorar com a vossa cara metade num sítio altamente exótico que vos fará esquecer que estão no meio da cidade. Ou podem simplesmente, fazer uma reunião de trabalho "out of the box" - literalmente! - como nós optamos por fazer. De qualquer das formas, não deixem de visitar este perrrrrfect spot!

Nothing Else

Tuesday, September 23, 2008 | 1 Comments


My angel clipped wings I know
Wonders in darkness on grimey ground
In a forest unclean unsound
Everything everythings gone wild
Make land for the cows to graze
Leaflets scatter around to advertise sell out

A swamp in it hands stretched out
To catch a passing dime
Donations to the rich widened
Pavements for the poor
Somewhere else to lie
But my friend the carriage door
Stands slightly ajar
And I know clipped wings make uneasy flight
But weve got to reach

A place where the feast never ends
A moment when the music celebrates
And a time when darkness belongs
To night skies and nothing else
Nothing else -no-

Tomorrow my spirit seen
Fears today my mind
Soul aches so deep
Always craves my body to reach

Music video by Archive performing "Nothing else".
This track appears in the album Londinium (1996). 
This video shows some scenes from the French film "Déjà mort".
Singer : Roya Arab
Special thanks to my good friend Pedro Miguel :*

Mission: Impossible Dresscode

Monday, September 22, 2008 | 3 Comments

A pedido de alguns visitantes deste estaminé e de várias familias portuguesas (pronto, foi só o Armando da Baixa da Banheira, mas também conta) desvendamos como conseguimos passar por agentes secretos este fim-de-semana. Embora colocando em risco de vida dos mesmos, revelamos as identidades dos nossos agentes em campo.
Code Names: The Panamá Agent & 99'Agent.
Para mais tarde recordar, quando andarmos no lar a fazer corridas de andarilho!

video

Este clip da banda Sigur Ros foi objecto de censura na maioria dos canais televisivos estrangeiros, bem como no Youtube. A música deste clip faz parte do novo álbum lançado por esta banda islandesa este ano: með suð í eyrum við spilum endalaust. A ousadia do clip chocou as puritanismo dos media, que enfatizaram mais a sua forma (a nudez) do que o seu conteúdo (o pacifismo e sentimento libertador da mensagem). Mas no nosso estaminé não há lápis azul e muito menos puritanismo oco. Ao postar o vídeo surge a questão de segurança seguinte: contém conteúdo obsceno ou ilícito? A nossa resposta é óbvia. Dentro do panorama musical alternativo, os Sigur Ros são, sem dúvida, uma banda original com um estilo musical inovador e intenso, em que cada música se traduz em sentimentos e sensações únicas, repletas de uma surpreendente beleza e virtuosismo.


Bienvenue chez les Ch'Tis
Realização: Dany Boon
Com: Kad Merad, Dany Boon, Zoé Félix, Lorenzo Ausilia-Foret, Anne Marivin, Philippe Duquesne, Guy Lecluyse, Line Renaud, Alexandre CarrièreO filme mais visto de sempre em França. Mais de 20 milhões de espectadores!
Neste divertido filme, conta-se a história de Philippe Abrams, um chato e infeliz funcionário dos Correios que, para fazer a vontade da mulher Julie que se encontra bastante deprimida, faz tudo para conseguir transferência para o soalheiro Sul de França. Mas, quando Philippe é apanhado a fazer vigarices para conseguir o novo lugar, o castigo não podia ser pior: terá de trabalhar durante três anos na estação dos correios de Nord Pas de Calais, uma das regiões mais industriais e frias do País.
Depressa porém, ele vê-se a passar bons momentos com os afáveis e bem-humorados habitantes do Norte, acostumando-se à sua peculiar cozinha e até mesmo a aprender o dialecto local, o incompreensível Ch’ti... Um história simples de redescoberta da amizade e da generosidade das gentes das pequenas cidades. Uma comédia certeira e hilariante com momentos geniais de diálogo e de riso garantido. As personagens estão bem construídas e a dinâmica do filme é excelente. Vejam o trailer do filme e visitem o site oficial. Vale bem a pena conhecer os Ch'tis!

Tropic Thunder Realização: Ben Stiller
Com: Ben Stiller, Robert Downey Jr., Jack Black, Nick Nolte, Tom Cruise, Matthew McConaughey
Depois de, em 2001, Ben Stiller ter realizado “Zoolander”, uma sátira ao mundo da moda, em 2008 volta à carga como realizador com “Tropic Thunder”, uma divertida e surpreendente sátira à relação entre o mundo da Guerra e Hollywood. O filme acompanha as peripécias de três caprichosos, egocêntricos e supostamente talentosos actores que são contratados para protagonizarem o filme de guerra mais caro de sempre. Esses três protagonistas são, Tugg Speedman (Stiller) uma verdadeira Hollywood star em declínio depois de uns quantos fracassos comerciais, Jeff Portnoy (Black) um cómico actor que quer ser levado a sério e Kirk Lazarus (Downey Jr.), um actor bastante profissional que leva o seu trabalho a sério, tão a sério que resolve submeter-se a um tratamento cirúrgico para ficar negro de forma a interpretar com a maior credibilidade possível a sua personagem. Através de metáforas e ironias, o argumento original escrito por Ben Stiller, Etan Cohen e Justin Theroux, não satiriza apenas os filmes de guerra de Hollywood mas sim toda a indústria cinematográfica norte-americana. Com algumas tiradas brilhantes que me levaram às lágrimas tais como: " eu não leio o guião, o guião lê-me a mim". Um mimo!

“Tropic Thunder” conta com um elenco repleto de celebridades de Hollywood, para além dos três actores principais somos também presenteados com vários cameos de vários actores famosos que não revelarei aqui para não estragar a surpresa, contudo as verdadeiras estrelas do filme são Ben Stiller, Jack Black e Robert Downey Jr, este último assina a melhor performance do elenco.

Weekenders Feelings

Saturday, September 20, 2008 | 1 Comments

Porque temos de trabalhar amanhã -domingo!- aproveitamos para gozar ainda melhor o tempinho que nos resta, aquele que tem apenas os nossos nomes impressos. Mão na mão, olhos nos olhos, passo a passo, descobrimos novos recantos para sossegar a alma com os nossos rituais de leitura e de conversa morna. A ternura do dia entranha-se suavemente na pele e a doçura da partilha das pequenas coisas extravaza no sorriso silencioso que trocamos por entre os espaços do relógio parado.
É que ele pára só por te ver sorrir assim para mim.
Com o fim-de-semana à porta fica uma dica de como iremos passar o nosso. Iremos vestir a pele de dois perigosos agentes secretos, mas daqueles mesmo mesmo secretos e por isso não podemos dizer mais nada ou teríamos de vos matar!
;) Have fun, 'cause we surely will!
Tantas coisinhas boas para os próximos dias e nós com tão pouco tempo.
Mas cá ficam algumas sugestões. Umas engraçadas, outras peculiares, outras saborosas, outras simplesmente belas.
Jazz no Ascensor da Bica
Foi com grande felicidade - e um trocadilho - que recebemos a boa nova de que a Carris e o Hot Clube de Portugal (a cumprir 60 anos, parabéns!) iam organizar concertos nos ascensores de Lisboa. Lavra, Bica, Glória e Santa Justa vão ter músicos de jazz a tocar ao vivo, todos os sábados de Setembro pelas onze em ponto — da manhã e da noite, ver programa aqui. Amanhã é no ascensor da Bica com André Santos (guitarra), Bruno Pernadas (guitarra), Daniel Vieira (saxofone) e Pedro Pinto (contrabaixo) Não, não nos esquecemos de fazer o tal jogo de palavras: é música de elevador. Ah ha.
Onde: Ascensor da Bica
Quando: Às 11h e às 23h
Quanto: o preço de um bilhete normal, €1,35

Dança Beijing Dance Academy
De Pequim para o mundo! Eis que chega até nós pela primeira vez uma das mais prestigiadas escolas de dança chinesa. A Beijing Dance Academy apresenta um espectáculo de Danças Milenares e de Dança Clássica Chinesa. Esta escola de ensino superior artístico é actualmente frequentada por cerca de dois mil alunos e lançou alguns dos mais prestigiados bailarinos chineses. Os cursos leccionados abrangem a Dança Clássica Chinesa (gudian wu), a Dança Folclórica Chinesa (mian jian e minzu wu), o Ballet, a Dança Moderna (xiandai wu), a Coreografia (bian dao), a História e Teoria da Dança e as Danças Sociais. Durante dois dias poderão ver um espectáculo grandioso e directo. Um festim para os olhos!
Onde: Museu do Oriente, Avenida Brasília, Doca de Alcântara
Quando: 20 e 21 Set. às 21h30
Quanto: 15€

Galeria de Pastelaria - Mupis de Bolos na Cidade
Encontraram-se junto a uma Almofada, um Alsaciano, uma Babá, um Bispo e um Caracol em Contraplacado. Havia ainda dentro de uma Cornucópia, uma Duchesse, um Esquimó com uma Ferradura, um Garibaldi, embrulhado num Guardanapo, e um Jesuíta com uma Madalena. Foi uma Maravilha. Porque não faltou também, junto à Pirâmide (que entretanto é um cone), uma Margarida a cantar a Marselhesa com o Mil Folhas / Napoleão. Dançou-se a Polka, depois do Xadrês, em cima do Tronco, como tinham um Ratinho na barriga comeram um Queque e foram todos felizes para Sabóia, atrás do Trinitá. Qualquer semelhança com os bolos encontrados nesta exposição, jamais será pura coincidência, a culpa é do Fabrico Próprio, não percam o livro, um must em qualquer sala-de-estar portuguesa.
Onde: Terreiro do Paço Ala Sul
Quando: Até dia 28 de Setembro
Quanto: Entrada Livre

Loja A Fábrica dos Chapéus
Toda a loja de chapéus padece de uma maldição! Sendo a dita, esse aborrecido deja vú que é a frase “Chapéus há muitos”. Prometo escapar a esse lugar comum por dizer que nesta “Fábrica dos Chapéus”, o que há muito são pregadeiras e ganchos, em tricot e outros tecidos, primorosamente feitos pelo dono da loja! Brincos e colares também existem em alguma quantidade, e crachás, não esquecer os originais crachás. Quanto a chapéus, vou apenas dizer que existem os suficientes para satisfazer quem quiser ser: a) gangster, b) Charlot/Thomas Crown Affair, c) Fred Astaire, d) Bonnie and Clyde, e) rapper, d) menina belle époque, e) pescador, f) velhinho da bisca, g) marinheiro e por ai fora. Por isso já sabem, Chapéus há …. os que há, e não são poucos!
Onde: Rua da Rosa nº130
Quando: Seg a Quin das 11h às 21h, Sex e Sab até 22h
Quanto: Médio

E pronto, foram as notícias, quentes e boas! :) O resto vão ver à LeCool, se faz favor!

Waking up... with you

Friday, September 19, 2008 | 2 Comments

Antony and the Johnsons - Hope there's somenone

Antony and the Johnsons is a Mercury Prize-winning music act from New York City. The band is essentially a vehicle for singer Antony (full name Antony Hegarty). British experimental musician David Tibet of Current 93 heard a demo and offered to release Antony's music through his Durtro label. The debut album, Antony and the Johnsons, was released in 2000. In 2001, Antony released a short follow-up EP, I Fell in Love with a Dead Boy, which, in addition to the title track, included a cover of "Mysteries of Love", a David Lynch/Angelo Badalamenti song and "Soft Black Stars", a cover of a Current 93 song. Antony's second full-length album, 2005's I Am a Bird Now, was greeted with positive reviews and significantly more mainstream attention, winning the Mercury Music Prize for the best album of 2005. In November 2006 Antony and the Johnsons performed a successful European tour of 'Turning', a multimedia collaboration with video producer Charles Atlas, which focused on themes of transformation and metamorphosis.

Antony and the Johnsons' third album, The Crying Light, is anticipated on January 21, 2009. Additional details have yet to be made known, but Antony has described the theme of the album as being "about landscape and the future". in Wikipedia :)

Lunch Break... Until the Morning Comes

Thursday, September 18, 2008 | 2 Comments

Until the Morning Comes, Tindersticks

Autumn Prelude

Thursday, September 18, 2008 | 1 Comments

Emilie Autumn é cantora e violinista, e vive actualmente em Chicago. É conhecida pelo seu estilo de performance teatral. Com 15 anos, Autumn entrou no prestigioso “Indiana University School of Music” em Bloomington, Indiana, mas abandonou-o dois anos depois. Emilie adorava vestir corpetes e extravagantes saias de tule góticas, o que a universidade não aprovou.
Aos 18, Emilie desenvolveu as suas habilidades vocais em Chicago para a criação da sua própria editora, a Traitor Records, compondo o seu álbum On a Day…, usando o seu violino clássico, sucedido por Enchant (2003), onde apurou o estilo “gótico alternativo”. Foi descoberta por Courtney Love e juntou-se à banda Hole. Através de Courtney, Emilie conheceu Billy Corgan e juntou-se ao seu trabalho em Chicago em “DIA”, do seu álbum a solo TheFutureEmbrace, como violinista e segunda voz, trabalhando com Corgan até 2005. Finalmente voltou a trabalhar no seu álbum em Setembro de 2005: Opheliac gravado em Mad Villain Studios, Chicago. Conheçam mais sobre a belíssima e perturbante
Autumn, na LastFM onde encontram vídeos e músicas fantásticas desta autora neo-gótica. A música que escolhi da Autumn para este dia outonal chama-se Tale of Two Sisters e é acompanhada por este magnífico vídeo. Outra música lindissíma é Rose Red, do filme de Tim Burton Corpse Bride, cliquem e espreitem! ;)


E já era devida esta homenagem há muito, muito tempo.
Nicholas Edward Cave nasceu em Warracknabeal na Austrália, no dia 22 de Setembro de 1957. É músico, compositor, autor, argumentista e, ocasionalmente, actor. É mais conhecido pelo seu trabalho musical com os Nick Cave and the Bad Seeds, onde explora temáticas como religião, morte, amor, América e violência. Comentar a discografia de Nick é tarefa complexa, já que possui uma carreira extensa, iniciada em 1976 com a banda The Birthday Party e que se estende até os dias de hoje.
Os discos destes senhores não são fáceis. Não são belos nem oníricos. Mas também não são gratuitamente violentos ou agressivos. A estreia em 1984 das "sementes más" não ajuda em nada a diminuir a fama de Cave como um artista sombrio. Musicalmente sombrio e obssessivo, com letras que passeiam por ambientes sórdidos em companhia de personagens não menos escatológicas, esse primeiro disco é opressivo, pesado, sufocante. Contudo, com o tempo e a experiência surgiram albuns de tendência mais blues e com grande influência de rockroll, mas sempre líricos e intensos. Cave sempre teve o poder de nos fazer confessar, de nos arrancar tudo com poesia: "Come on, admit it, babe, It’s a wonderful life". E é com grande música que nos presenteia.
"Hide your eyes, hide your tears / Hide your face, my love / Hide your ribbons, hide your bows / Hide your coloured cotton gloves / Hide your trinkets, hide your treasures / Hide your neatly scissored locks / Hide your memories, hide them all / Stuff them in a cardboard box / Or throw them into the street below / Leave them to the wind and the rain and the snow / For you might think I’m crazy / But I’m still in love with you", canta o bardo na apropriada Still In Love.
A música que escolhi da longa e excelente discografia de Nick Cave and the Bad Seeds chama-se Into my Arms, e é uma das minhas preferidas, embora me apetecesse colocar aqui mais umas 5 ou 6, pelo menos! Para ouvirem depois aqui ficam algumas das minhas preferidas: Are you the one, Where the wild roses grow, Henry Lee, e tantas mais :) Ai ai...
Enjoy...

Operação Pijaminha

Wednesday, September 17, 2008 | 1 Comments

Façam este gesto e vão ver que não dói nada, pelo contrário,vão sentir um formigueiro muito fininho do vosso lado esquerdo do peito. É o arrepio da manifestação da nossa consciência que só é sentido quando se praticam boas acções. Para quem não sabe o Instituto Português de Oncologia é na Praça de Espanha.
http://www.ipolisboa.min-saude.pt/

Para quem sabe e já passou por lá momentos complicados, então este apelo tem ainda mais significado e relevância.
São necessários (principalmente) pijamas para as crianças que estão no IPO a fazer tratamentos de quimioterapia. Após os tratamentos, os pijamas ficam muito sujos e gastam-se rapidamente.
Esta ideia surgiu há dois anos e hoje já é apelidada de *Movimento Pijaminha* pelo sucesso que têm tido os esforços conseguidos!
As necessidades existentes passam pela falta de pijamas, pantufas, chinelos, meias, robes e fatos de treino.
Sabemos que a vida não está fácil, mas dentro das possibilidades de cada um há sempre espaço para participar, comprando ou obtendo junto de amigos e familiares agasalhos que já não sirvam.
No ano passado foram entregues 76 pijamas e o IPO ficou muito satisfeitocom esta dádiva. Este ano vamos repetir a façanha, e se possível ultrapassar este número.
Se divulgarem já estão a ajudar!!! Mesmo para quem não tem pijamas (que é o meu caso) não custa assim tanto arranjar um fato de treino mais fofinho lá em casa que ainda possa aconchegar estes pequenotes.

Headache Morning

Wednesday, September 17, 2008 | 0 Comments

Não sei o que ando a fazer durante a noite, mas a dormir e a descansar não deve ser. Hoje acordei com uma dor de cabeça monumental o que me fez lembrar não só que tenho cabeça (eureka!), como que pode pesar horrores quando nos damos conta dela! Vou ali tomar um Aspegic e já cá volto.

Afternnon gifts: Estrela do Mar

Tuesday, September 16, 2008 | 1 Comments

Prendinha da tarde para a menina aqui do estaminé. Também gosto muito de ti! :*




Quando eu era uma teenager inconsciente (entretanto não sei se me curei!) esta era uma das minhas músicas favoritas dos Depeche Mode. Recorda-me a minha primeira perda. O primeiro amor tolhido numa morte trágica e estúpida. O meu primeiro revés na fé. Hoje sonhei com esta música e achei que já estava em condições de partilhá-la convosco. Não sei se os sonhos têm som mas o meu estava tingido pelos afectos e pela densidade que estas notas continuam a produzir em mim e foi com os olhos inundados que acordei. Foi com a alma plena pelo que a vida me trouxe em retorno que me levantei para mais um dia com aqueles que amo.

A Chave dos Sonhos
Música: Luís Represas
Letra: Sérgio Godinho


Luz sai da frincha, é manhã
Sei que o dia já desarvora
Chave dos sonhos na mão
Olho-te e vais embora

Sais pela rua veloz
Sinto a brisa do teu corpo perto
Chave dos sonhos guardei
No quarto já deserto

Passei a noite em claro
Passei p'la noite em ti
E abri com a chave dos sonhos
A porta e a varanda que em sonhos abri

São mais confusas agora
As imagens que aqui eu tocava
Eram do sonho ou de olhar
O que o prazer mostrava ?

Chave dos sonhos na mão
Entrarei em qualquer fechadura
P'ra lá da porta, o melhor
É sempre da aventura

Guardo com a chave dos sonhos
Segredos que o corpo merece
Se alguém não quis arriscar
Então que o não tivesse

Ontem arriscaste mais
Do que uma simples coisa exigia
Deste-me a chave dos sonhos
O caos e a harmonia

Abrimos a manhã - e a semana! - com Speechless dos Mish Mash (funny name), uma banda do Reino Unido, fundada por Oscar Fullone, um dos dj's veteranos e mais proeminentes da cena londrina, responsável também pelas festas Mish Mash em Londres e Glasgow. A voz é de Louise Norby, natural de Copenhaga, mais conhecida por Lois. Esta é a sua música mais conhecida e a que mais passa na noite londrina, lançada em 2005. A inspiração é marcadamente disco, com um revivalismo à Studio 54 ;) Chic and Kitsh!

Afternoon gifts: Tender Love

Friday, September 12, 2008 | 2 Comments



Tender Love, pelos Swan Dive

Os Swan Dive (que nome bonito!) são um dueto constituído em 1995 por Bill DeMain e Molly Felder. O seu albúm mais conhecido chama-se Circle, editado em 98. O gosto pela bossa nova cristaliza-se em sons mornos e doces, que nos fazem deslizar no sofá e desejar que a música não acabe. Bill DeMain é um compositor nomeado para os Grammy (The Look Of Love: The Burt Bacharach Collection) e jornalista.

Como já é sexta-feira achei que podiámos deixar aqui no nosso estaminé uma sugestão de fim-de-semana: que tal um stripoker pin-up? É rollplay, poker e strip. "Mas são 3 desejos!!!" E assim inventei oficialmente um novo jogo: Pinuppoker! E um novo verbo: vamos pinupokar? ahahah... ai é só gente malandra! O que vocês querem sei eu!

Let there be love! :)

Friday, September 12, 2008 | 0 Comments

Ora vamos lá começar a manhã com uma cantiga de chuveiro ;) está um dia tão bonito, embora a brisa já nos arrepie a pele com a sua passagem e os pés descalços no chão já saltitem à procura das pantufas. Muito bom dia! Não se atrasem, já são 09h.

Felling... Energic!

Thursday, September 11, 2008 | 0 Comments

Paramore, Hallelujah

"This time we're not give it up, lets make it last forever, screaming Hallelujah!

Will make it last forever!"

Eu cá gosto destes mocinhos! Tocam com gana. São os Paramore e talvez já os tenham ouvido na MTV com esta outra música, que foi o 1º sucesso deles.

The LHC, once formerly known as GOD

Wednesday, September 10, 2008 | 1 Comments


Entender como tudo começou não é nada fácil. A religião tem levado séculos de avanço mas hoje demos um passo de gigante na direcção do despedimento de deus como explicação última da origem do universo. O acelerador de partículas mais poderoso do mundo, LHC foi lançado HOJE, quarta-feira, no CERN, a organização europeia de pesquisa nuclear, com sede em Genebra. O objectivo é tentar compreender as origens do universo.
O polémico Large Hadron Collider (LHC) é um túnel subterrâneo entre a Suíça e a França, com 27 quilómetros de comprimento, onde são recriadas as condições registadas depois do Big Bang, fazendo-se colidir dois feixes de partículas, quase à velocidade da luz.
A experiência, idealizada ao longo dos últimos 20 anos e com a participação de uma vasta equipa de especialistas de todo o mundo, incluindo Portugal, está a ser muito criticada pelos mais cépticos, que acreditam que o LHC não é mais do que «uma máquina do Juízo Final», que pode «destruir o planeta».
Comunicado de Imprensa acabadinho de sair do CERN:
"Geneva, 10 September 2008. The first beam in the Large Hadron Collider at CERN1 was successfully steered around the full 27 kilometres of the world’s most powerful particle accelerator at 10h28 this morning. This historic event marks a key moment in the transition from over two decades of preparation to a new era of scientific discovery.
“It’s a fantastic moment,” said LHC project leader Lyn Evans, “we can now look forward to a new era of understanding about the origins and evolution of the universe.” Leiam mais aqui.

Emocionante não? Vejam o vídeo da BBC a explicar tudinho e aprendam mais sobre o LHC.
Até a Google tem um logo especial hoje, já repararam?

Agradecimento especial ao Rui Sampaio, ex-worker do CERN, que via messenger, me facultou informação preciosa sobre o LHC! :*

A Lullaby for you :)

Wednesday, September 10, 2008 | 1 Comments

Sheryl Crow - Lullaby for Wyatt

À descoberta de... Kettlebell training

Wednesday, September 10, 2008 | 1 Comments

Nós prometemos que vos manteríamos a par das nossas descobertas no novo ginásio onde andamos, a Academia. Ora bem, ontem fomos experimentar o Kettlebell, que é uma bola que pesa como chumbo, como se todo o 5º dos Infernos (e restantes graus infernais!) estivesse condensado lá dentro. Eu não sou rapariga de me acagaçar com exercícios, mas confesso que até a mim me custou horrores. Depois lá consegui perceber como funcionava e acredito que na próxima aula já me vou portar à altura de um guerreiro russo!
O Kettlebell é uma peça que pertence ao mundo Antigo, onde bolas de ferro, muitas delas de peso elevado, eram usadas como peso. Os homens fortes da época usavam esses pesos para demonstrar a sua força, participando em actividades e jogos com essas peças antigas. A história detalha a presença dessas actividades na Europa desde o Século XVI, onde bolas de ferro maciças eram encontradas em feiras e mercados da época.
Porém foi na Rússia czarina que essas esferas de metal começaram a revelar sua verdadeira significância na aquisição de força e resistência (endurance). Completa com uma alça prática, o kettlebell ou Gyria tornou-se na peça essencial para qualquer Guerreiro Russo. De facto, de acordo com Pavel Tsatsouline, grande responsável pela introdução do Kettlebell training nos EUA, na Rússia czarina os termos "Strongman" e "Girevik" ou "Kettlebell man" eram sinónimos.
Quais são as vantagens deste método? Produz trabalho de força em grande amplitude de movimento. Essa amplitude de movimento exagerada provoca o Stretch reflex, o que aumenta a capacidade do corpo humano de produzir força, movimentação e agilidade Expõe fraquezas individuais (acreditem que expõem mesmo!) e promove correcções de assimetria corporal. Como a maioria dos gestos executados no Kettlebell Training é feita unilateralmente, assimetrias e compensações são muito mais fáceis de serem detectadas. Auxilia no desenvolvimento de estruturas articulares fortes e flexíveis. O Kettlebell Training exige que as articulações se estabilizem dinamicamente, o que reduz a possibilidade de lesões e permite maior eficiência na produção de força muscular. Intensifica a produção de potência muscular. Ensina o corpo a absorver força e redireccioná-la. Desenvolve antebraços poderosos e forte trabalho de pernas. Ensina o corpo a lidar com a constante mudança do centro de gravidade e melhora a condição cardio-respiratória dos praticantes.

Não se deixem enganar com a aparente facilidade com que o rapazinho do vídeo faz isto. Mesmo os kettlebell mais leves (8kg!) pesam mesmo muito e não é nada fácil. Mas vale cada minuto dispendido de esforço! ;) E claro, invistam num andarilho para se levantarem da cama no dia seguinte à 1ª aula!

As máscaras de Linda

Tuesday, September 09, 2008 | 0 Comments

Linda Bergkvist, uma das artistas contempladas pela nossa barra lateral "Janelar" - Furiae - tem uma colecção nova de máscaras absolutamente deslumbrante. Espreitem aqui porque é mesmo difícil escolher uma. Desde invocações outonais a uma cortante máscara de rainha das neves, tudo é possível no mundo mágico de Linda.

Pink Mood

Tuesday, September 09, 2008 | 1 Comments

Qual é coisa qual é ela que é amarela, pequenina e tem 3 rodas? Não, não trocamos a nossa MP3!
Oh mãe! Eu quero andar de GoCar!
Vocês já repararam nuns carrinhos mesmo engraçados amarelitos que começam a pulular pelas ruas de lisboa??? Não? Pois, com os olhos abertos vê-se melhor!
Se ainda não repararam, estes carrinhos são o último grito do turismo à século XXI.
"Já alguma vez conduziu um carro que assobia,vibra numa descida, conta anedotas e ainda lhe diz tudo aquilo que esta ver de uma forma lúdica?"
Agora podem conhecer a nossa linda cidade de uma forma inovadora, ecológica, divertida e descontraída. Os GoCar estão munidos com GPS que inclui planos turísticos, informações culturais, geográficas e paisagísticas e que prometem tornar o passeio seguramente inesquecível levando-nos a descobrir ainda mais sobre uma cidade já de si tão deslumbrante.
Eu cá vou andar! Custa 25€ - 1ªh/ 20€ a 2ªh. Podem ver preços e condições no site da GOCAR.

Cá fica o videozinho com uns caramelos a passearem-se na minha cidade no pópó! :D


Morning Feelings

Monday, September 08, 2008 | 0 Comments


As folhas dos meus bambus já começaram a fazer um tapete fofo no chão. É tempo de mimar o jardim :) De galochas, calções, alicate na mão e ancinho, com ares de "Anita no Jardim" vejo a vida a renovar-se e deixo-me inundar por este solinho de Setembro e pela brisa fresca da manhã. As recordações que estes aromas trazem são ternas e de vozes familiares que costumavam cantar para mim baixinho e que já só habitam na minha memória. :D Há coisas que (felizmente) nunca mudam.

À descoberta do TRX fitness

Monday, September 08, 2008 | 1 Comments

Por músculos nunca dantes trabalhados... é assim que nos sentimos 2 dias após uma aulinha de TRX. Experimentámos este sábado, no clube novo Academia para onde nos mudámos e estamos maravilhados. Além de aulas específicas de treino militar e auto-defesa, o pilates especial e outras modalidades que iremos experimentar em breve, decidimos que seremos frequentadores desta modalidade recentemente chegada a Portugal.

O TRX- Treino em Suspensão nasceu com o exigente programa de treino dos SEALS da marinha dos EUA, para que os seus soldados pudessem treinar em qualquer lado, fácil de transportar e que trabalhasse todo o corpo de forma equilibrada e assim, mantivessem uma condição física de excelência.

O TRX baseia-se no treino de força e de propriocepção, usando as principais estruturas "core" e promovendo a estabilização de todas as articulações em todos os exercícios, produzindo efeitos espectaculares em todos os indivíduos, independentemente da sua preparação base. Este sistema transforma o peso do corpo do utilizador em resistência variável e permite que cada um escolha o nível de dificuldade dos exercícios simplesmente variando a posição do corpo.

Gostámos mesmo porque trabalha todo o corpo, de uma forma controlada e à medida da resistência e capacidade de cada um. E pronto, também havia miúdas e ragazzi muito giros na aula ;) querem fazer-nos companhia um dia destes?

Weekend Feelings

Saturday, September 06, 2008 | 2 Comments

Passear pelas ruelas de Lisboa a cheirar a terra molhada, valsear entre a multidão e sentir que todos os sons se desvanecem, ficando apenas o sussurro quente da nossa respiração e a doçura das nossas mãos dadas. Apertar-te num abraço suspenso. Nosso. Sentir a chuva a salpicar a pele e a inundar de vida e frescura tudo em nosso redor.
Estou desconfiada que há poucas coisas melhores na vida que isto! ;)
Aproveitem para pôr a cinéfilia em dia, para bebericar Vinho do Porto aquecido com canela e dar uns amassos valentes no sofá! Porque o amor é como o tempo, e o mau tempo também faz parte do amor! :)

Que grande musical, Mamma Mia!!!

Friday, September 05, 2008 | 2 Comments

Mamma Mia! é um show musical que inclui canções conhecidas do grupo de música pop sueco ABBA. As composições foram feitas por Benny Andersson e Björn Ulvaeus, o livrete com a história de uma mãe, Donna, que educa a sua filha sozinha, Sophie, que está prestes a casar-se, é da autora britânica Catherine Johnson.
O musical, com os sucessos mundiais “Dancing Queen”, “Super Trouper” e “The Winner Takes It All”, entre outros, é uma comédia.
O musical teve estreia em Londres a 6 de Abril de 1999, exactamente 25 anos após os ABBA terem ganho o Festival Eurovisão da Canção com a canção “Waterloo” em 1974.
Até finais de 2006 o musical “Mamma Mia!” foi visto por mais de 35 milhões de espectadores encantados em todo o planeta, sendo assim o musical com maior sucesso a nível mundial, ultrapassando os sucessos de musicais famosos como Cats ou Fantasma da Ópera.
Este fabuloso musical foi rodado como filme, realizado por Phyllida Lloyd, com Amanda Seyfried, Stellan Skarsgård, Pierce Brosnan, Colin Firth e Meryl Streep, e foi lançado nos Estados Unidos a Julho de 2008. Estreou ontem em Portugal e nós fomos espreitar. E foi uma surpresa daquelas! A história deste musical não trata do enorme sucesso do grupo musical sueco, mas sim de Donna, uma mãe solteira, com a sua filha Sophie, de 20 anos de idade, que vivem desde os anos 70 numa pequena ilha grega, onde vivem de uma modesta taverna. Sophie, que brevemente irá casar com o seu noivo Sky, quer que o seu pai esteja presente no casamento. No diário da sua mãe, Sophie descobre que há 3 possíveis pais. Juntam-se as amigas de infância de Donna e as velhas recordações do seu antigo trio musical “Donna And The Dynamos”.

De uma alegria e colorido exuberantes, quase a lembrar Bollywood (só faltam os indianos) o ponto mais forte do filme é manter-nos um sorriso largo nos lábios o tempo todo e fazer-nos cantarolar como se não houvesse amanhã. Pena as escolhas dos actores ser feita pela popularidade e não pela capacidade vocal, mas tudo isso se torna secundário dada a beleza das ilhas gregas e a explosão constante de entusiasmo e coreografias bem elaboradas e bem encadeadas com o desenrolar da história. Para quem cresceu, como eu, a ouvir as músicas dos ABBA e as conhece (a todas!) de trás para a frente, desde os tempos em que as cantava em frente ao espelho e fazia coreografias com a minha irmã, pode ser uma experiência tocante. Vejam o site oficial do filme aqui!

Aqui deixo uma das minhas músicas preferidas, que ainda por cima me faz recordar as nossas viagens a Paris. Lembras-te? (e sim, gostei de ouvir o Colin Firth a cantar... é daqueles tipos que apetece logo pedir em casamento... would you merry me Colin!?)



(dá vontade de ouvir mais não é?... espreitem aqui a versão original dos ABBA)

Never is a promise

Thursday, September 04, 2008 | 2 Comments

Someone once told me:
"Something I really like about you is that you never promise anything. You just give at it's time."

Never is a Promise - Fiona Apple

You'll never see the courage I know
Its colors richness wont appear within your view
I'll never glow - the way that you glow
Your presence dominates the judgements made on you

But as the scenery grows, I see in different lights
The shades and shadows undulate in my perception
My feelings swell and stretch; I see from greater heights
I understand what I am still too proud to mention - to you

You'll say you understand, but you don't understand
You'll say youd never give up seeing eye to eye
But never is a promise, and you cant afford to lie

You'll never touch - these things that I hold
The skin of my emotions lies beneath my own
You'll never feel the heat of this soul
My fever burns me deeper than Ive ever shown - to you

You'll say, dont fear your dreams, its easier than it seems
You'll say youd never let me fall from hopes so high
But never is a promise and you cant afford to lie

You'll never live the life that I live
Ill never live the life that wakes me in the night
You'll never hear the message I give
You'll say it looks as though I might give up this fight

But as the scenery grows, I see in different lights
The shades and shadows undulate in my perception
My feelings swell and stretch, I see from greater heights
I realize what I am now too smart to mention - to you

You'll say you understand, you'll never understand
I'll say I'll never wake up knowing how or why
I dont know what to believe in, you don't know who I am
You'll say I need appeasing when I start to cry
But never is a promise and I'll never need a lie.

video

About

Mei and Arawn