Realizado por Sean Ellis; Com Sean Biggerstaff, Emilia Fox, Shaun Evans, Michelle Ryan

“Cashback” é uma preciosidade a todos os níveis. Muito perto da perfeição e muito perto de receber as estrelas extra que tenho guardadas para ocasiões especiais. De uma forma genialmente humorística e com um estilo muito próprio, o jovem cineasta britânico Sean Ellis consegue teorizar com poesia, sensibilidade e carinho os caprichos da separação e do amor. Com grande elegância e qualidade, conseguiu juntar dois géneros poderosíssimos: o drama e a comédia.

“Cashback” tem como personagem central o estudante de Belas-Artes Ben Willis que, recentemente abandonado pela sua namorada Suzy, começa a ter insónias persistentes de vários dias. Para passar as entediantes horas da noite, começa a trabalhar no turno da noite do supermercado local. Aí conhece um insólito e colorido grupo de personagens, todos eles com a sua própria “arte” para lidar com as oito aborrecidas horas do turno. A arte de Ben é imaginar que é capaz de parar o tempo. Desta forma, ele consegue apreciar a beleza artística do mundo, congelado, e as pessoas que lhe pertencem - especialmente Sharon, a quieta rapariga da caixa que ele pinta repetidamente, incansavelmente, apaixonadamente.

A história está magistralmente bem encadeada, utilizando os seus protagonistas principais para explorar esse grandioso e confuso sentimento que é o amor. Com um pouco de sadismo e loucura à mistura , “Cashback” acentua o dramatismo e intelectualismo de um sentimento que faz mover montanhas e que de certa forma comanda a vida. A fotografia tem um colorido muito próprio e as belíssimas imagens de jovens semi-nuas também ajuda no efeito encantatório que o filme produziu em mim. Contudo, Sean Ellis não comercializa o amor, trata-o de uma forma simples mas sempre atendendo á sua natureza e especificidade. “Cashback” é no fundo uma comédia dramática com traços de uma comédia romântica tipicamente europeia, os comercialismos americanos e os típicos clichés do género foram felizmente esquecidos, dando origem a uma obra original e profundamente cativante. Os flasbacks por vezes tornam-se um pouco supérfulos e o final poderia ter sido melhor trabalhado. O actor principal Sean Biggerstaff tem a melhor interpretação do filme, mantendo-se sempre convincente na pele aluada do seu personagem. Ora cá está um actor pouco conhecido que se revelou uma agradável e inesperada surpresa Cashback” é uma excelente obra de cinematografia e é provavelmente a melhor que já vi este ano! Mas ainda vamos em Maio.

Lets look at a trailer!


Espreitem o site oficial aqui! :) É bonito, tão bonito.

1 comentários:

Chihiro said...

Muito bom!!! Sem dúvida.
Fala da forma de amar pela contemplação e pela descoberta da beleza. Da mudança e de como tantas vezes é preciso dar um passo a trás para seguir em frente e descobrir o futuro.
Vão ver :)

About

Mei and Arawn